Secretário e ministro dão prazos diferentes para estádios

Além do problema em São Paulo com o Itaquerão, em Curitiba aconteceu atraso devido ao bloqueio do repasse das verbas para a reforma

Costa do Sauípe (Bahia) – O secretário-executivo do Ministério do Esporte, Luís Fernandes, deu versão diferente nesta quarta-feira à do ministro Aldo Rebelo sobre o prazo de entrega de dois estádios da Copa do Mundo de 2014, a Arena da Baixada e a Arena Corinthians.

Em entrevista coletiva concedida na Costa do Sauípe, na Bahia, onde acontecerá daqui a dois dias o sorteio para os grupos do Mundial, o representante do governo disse que o estádio de Curitiba será entregue em fevereiro, e que não é possível dar prazo para a finalização do estádio paulista.

Mais cedo, também em entrevista coletiva, Aldo Rebelo afirmou que todos os estádios ficarão prontos em janeiro, inclusive os dois citados e o Beira-Rio. Na véspera, o secretário-geral da Fifa, Jérome Valcke, também incluiu a Arena Pantanal, em Cuiabá, como uma obra atrasada.

O caso mais emblemático é o da Arena Corinthians, onde houve um grave acidente na semana passada – a queda de um guindaste quando tentava içar uma peça matou duas pessoas e ainda derrubou parte da cobertura do estádio.

“Curitiba vai ficar pronto em fevereiro, e em São Paulo nós dependemos do prazo dos laudos sobre o acidente. Seria prematuro dar os prazos agora”, explicou Fernandes.

Além do problema em São Paulo, em Curitiba aconteceu atraso devido ao bloqueio do repasse das verbas para a reforma. Em Porto Alegre, os prazos para a conclusão das obras no entorno do Beira-Rio.

Outros dois estádios, a Arena Manaus e a Arena das Dunas, em Natal, segundo explicou Aldo Rebelo mais cedo, estarão prontos em dezembro, mas por adequação com a agenda da presidente Dilma Rousseff, as inaugurações acontecerão um mês depois.

Os problemas não desanimam quem está à frente do Mundial no Brasil. Ricardo Trade, executivo-chefe do Comitê Organizador Local garantiu que o país ficará muito perto da nota máxima em organização, e para isso, comparou o andamento dos preparativos de agora, com os para a Copa das Confederações.

“Temos certeza que vamos nos adequar corretamente, vamos ter um tempo maior entre a entrega dos estádios e a abertura com a Copa do Mundo”, disse o dirigente, se referindo a entrega tardia de alguns estádios para o torneio que envolvia os campeões continentais.