Professores da UFRGS são presos por fraudes em bolsas de estudo

Conforme a Polícia Federal, a quadrilha teria desviado recursos de R$ 5,8 milhões, que seriam aplicados em pesquisas em saúde coletiva

São Paulo – Quatro professores universitários foram presos, na manhã desta sexta-feira, 9, suspeitos de desviar recursos financeiros envolvendo bolsas de estudos em um programa de pós-graduação.

Três docentes são da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e um da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), em São Leopoldo, região metropolitana da capital.

As prisões são temporárias e foram realizadas em uma ação da Polícia Federal (PF), denominada Operação PhD, desencadeada no período da manhã.

Agentes policiais cumpriram seis mandados de prisão, dez de busca e apreensão e dois de condução coercitiva. Durante o cumprimento das diligências, duas funcionárias da UFRGS também foram detidas.

Conforme a Polícia Federal, a quadrilha teria desviado recursos de R$ 5,8 milhões, que seriam aplicados em pesquisas em saúde coletiva, do Programa de Pós Graduação da UFRGS, ligado à Escola de Enfermagem.

A fraude consistia na inclusão de bolsistas sem vínculo com a UFRGS para receber bolsas de R$ 6,2 mil.

O valor da bolsa (integral ou parcial) era repassado para os coordenadores dos programas, que gastavam com viagens pessoais, estadias em hotéis entre outras regalias de interesse pessoal.

Durante o processo investigativo, a Polícia Federal constatou que ao menos um aluno adquiriu o certificado de mestre sem frequentar as aulas na Pós-Graduação da Escola de Enfermagem.

Os nomes dos suspeitos detidos nesta manhã não foram revelados pela polícia.

A assessoria de imprensa da UFRGS e Unisinos não se manifestaram sobre o assunto. O grupo é investigado por associação criminosa, estelionato e falsidade ideológica.