Procurador da Lava Jato defende divulgar delações da Odebrecht

Ele disse ainda que o método de colaboração premiada tem sido essencial no processo de investigação de atos ilícitos no Brasil

São Paulo – O procurador da República e um dos coordenadores da força-tarefa da Operação Lava Jato, Carlos Fernando dos Santos Lima, defendeu o fim do sigilo das delações de executivos da Odebrecht.

“Vivemos em um país em que somos reféns da violência e da corrupção. Talvez, seja até melhor levantar o sigilo para todos saberem quais são os fatos revelados”, afirmou em palestra realizada pela Câmara Americana de Comércio Brasil-Estados Unidos (Amcham) nesta quinta-feira (9).

Ele disse ainda que o método de colaboração premiada tem sido essencial no processo de investigação de atos ilícitos no Brasil. “Não é totalmente moral, mas, ainda assim, é eficaz”, disse.

De acordo com Lima, a força-tarefa da operação trabalha com o princípio do “pescoço na guilhotina”. “A nossa garantia é manter a pessoa com a corda no pescoço durante um período probatório. Ou seja, se ela cometer um novo crime ela perde todos os benefícios celebrados no momento do acordo”, diz.

À plateia de empresários e pessoas ligadas ao setor de compliance, o procurador também ressaltou a reação excessiva dos políticos brasileiros em relação aos depoimentos dos executivos da empreiteira. “Muitos políticos não sabem se estão na lista e estão reagindo excessivamente. Pode ser que eles nem estejam lá”, afirmou. “Estamos em um ambiente perverso”.