Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,29%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa -0,57% 63.718 pts
Pontos 63.718
Variação -0,57%
Maior Alta 3,50% FIBR3
Maior Baixa -3,20% TIMP3
Última atualização 29/05/2017 - 15:33 FONTE

Por que tantos jovens abandonam o ensino médio no Brasil

Estudo do Movimento Todos Pela Educação identificou que os estudantes do período noturno têm maior dificuldade para concluir os estudos

São Paulo – Mais de 39% dos estudantes de ensino médio do Brasil afirmam que a situação financeira é hoje a principal dificuldade para concluir os estudos. E 13,6% afirmam ter problemas para conciliar o trabalho com a escola.

A conclusão é de um levantamento realizado pelo Movimento Todos Pela Educação, que ouviu a opinião de 1.551 pessoas entre 15 e 19 anos sobre os professores, a participação social e a educação técnica.

Nesse sentido, a falta de recurso financeiro está mais atrelada a evasão de estudantes no ensino médio.

Um estudo do Instituto Unibanco do ano passado mostrou que quanto maior a renda, mais os estudantes avançam nos estudos: entre aqueles que concluíram o ensino médio na idade correta, a média de renda familiar por pessoa é R$ 885. Já entre os que não terminaram o ensino fundamental, a média cai para R$ 436.

Esse tipo de complicação é relativamente maior entre as pessoas do sexo feminino – 43,4% disseram que esse é o pior contratempo. Já entre os homens o percentual foi de 35,8%.

No recorte por turno escolar, o levantamento identificou que os estudantes do período noturno têm maior dificuldade para concluir os estudos (43,3%). Alunos do período vespertino somam 41,9% e matutino 35,7%.

Educação profissional e técnica

“O ensino médio é um desafio para os gestores públicos e o modelo tem, ao longo dos anos, dado sinais de esgotamento e incompatibilidade com o que os jovens estudantes querem ou esperam”, diz o relatório divulgado nesta semana.

No ano passado, o presidente Michel Temer (PMDB) sancionou um conjunto de novas diretrizes para o ensino médio via Medida Provisória  elaborada pelo Ministério da Educação.

A reforma flexibiliza o conteúdo que será ensinado aos alunos, permitindo que, a partir de uma base única nacional, o estudante escolha áreas de conhecimento para aprofundar seus estudos.

De acordo com a pesquisa realizada pelo Movimento Todos Pela Educação, 76,5% dos estudantes aprovariam a substituição de um terço das matérias do ensino médio por disciplinas técnicas a sua escolha, caso a carga horária diária da etapa fosse de 5 horas. A aceitação, segundo o estudo, é maior na região Nordeste (85,5%), e menor na região Sul do país (44,6%).

Apesar do interesse, metade dos alunos do ensino médio regular diz não conhecer nenhuma modalidade do ensino técnico profissionalizante – 95% deles gostariam de saber mais sobre essa modalidade de ensino, diz a pesquisa.

O que querem os estudantes

Para mais de 85% dos jovens estudantes do Brasil, a segurança é o aspecto mais relevante em uma escola de ensino médio. O segundo atributo mais importante para os jovens é a atenção dada aos estudantes deficientes – 83,1% tem essa opinião.

Questionados sobre as insatisfações em sala de aula, 54,6% dos estudantes classificaram as aulas de informática como insatisfatórias, o que, segundo a pesquisa, pode indicar fragilidades na preparação do docente para o uso de dispositivos eletrônicos como ferramentas de aprendizagem.

Qualidade da língua inglesa, ação em casos de bullying e o comprometimento dos alunos também foram listados como menos satisfatórios.

A pesquisa também mapeou o que os jovens esperam dos seus professores. Para 80,9% dos entrevistados, o atributo mais importante é que os docentes demonstrem paixão pela profissão.

A persistência em não desistir diante das dificuldades dos alunos, exigir comprometimento e ter foco na preparação para os vestibulares foram apontados em sequência, com 79,5%, 79,3% e 78,6%, respectivamente.