Dólar R$ 3,28 0,59%
Euro R$ 3,66 -0,41%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,27% 62.456 pts
Pontos 62.456
Variação 1,27%
Maior Alta 4,18% JBSS3
Maior Baixa -2,84% EMBR3
Última atualização 23/05/2017 - 15:29 FONTE

PMDB vota para retirar contrapartidas em socorro aos estados

Dos 50 deputados da bancada que votaram, 47 se manifestaram a favor do fim das exigências para que o governo federal atenda aos entes regionais

Brasília – O PMDB, partido do presidente Michel Temer, deu o maior número de votos favoráveis à retirada das contrapartidas ao socorro dos Estados no projeto de renegociação das dívidas com a União aprovado nesta terça-feira, 20, pela Câmara.

É o que revela o levantamento feito pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, no mapa da votação dos deputados na proposta, tida como a maior derrota de Temer no Congresso desde que assumiu o Palácio do Planalto em maio.

Dos 66 deputados da bancada peemedebista, a maior da Casa, 50 participaram da votação e 47 deles se manifestaram a favor do fim das exigências para que o governo federal atenda aos entes regionais. Houve apenas dois votos contrários e uma abstenção.

Oposição

O PT, segunda maior bancada com 58 deputados, deu 40 votos a favor das alterações do projeto – somente um contra e uma abstenção.

A mudança de postura dos petistas foi decisiva para que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tivesse segurança para levar adiante a votação.

Na discussão do projeto, o partido defendia inicialmente a obstrução – o que significa que não iriam registrar presença para garantir a votação.

Mas o PT decidiu apoiar o projeto após firmar um acordo com a base para retirar do texto uma proposta que previa o financiamento ao Plano de Demissão Voluntária (PDV), medida que, avalia a bancada, poderia desestimular os Estados a realizarem esse tipo de programa de corte de servidores públicos.

A proposta contou com o voto de 311 deputados, 54 a mais que o mínimo necessário para que um projeto vá à votação (257 votos).

Ou seja, os 40 deputados votantes do PT ampliaram a margem, ainda que apertada, para garantir a apreciação da matéria, em sessão conduzida por Maia, candidato à reeleição e interessado em ajudar, com as mudanças, seu Estado de origem, o Rio de Janeiro. O texto foi aprovado com 296 votos a favor, 12 contra e três abstenções.

O PSDB, terceira maior bancada, com 47 deputados, deu 27 votos a favor do fim das contrapartidas, um contra e ainda uma abstenção.

Partidos do Centrão e que têm candidatos à sucessão da Câmara, como o PSD de Rogério Rosso (DF) e o PTB de Jovair Arantes (GO), tiveram baixo comparecimento na votação.

No PSD, só 14 dos 37 deputados compareceram à sessão – todos votaram a favor das mudanças. No PTB, foram apenas quatro dos 18 integrantes da bancada – também todos favoráveis. Rosso e Jovair não participaram dessa votação, por exemplo.