PF nega em nota com Agricultura mal funcionamento da fiscalização

A Carne Fraca foi criticada pelo ministro da Agricultura e por Temer, que afirmou que o "alarde" provocado pelas investigações gerou "embaraços"

São Paulo – Após ser criticada pela maneira como divulgou a operação Carne Fraca na última sexta-feira, a Polícia Federal divulgou nota conjunta com o Ministério da Agricultura nesta terça-feira em que agora nega um “um mal funcionamento generalizado” no sistema de fiscalização sanitário e afirma que as irregularidades verificadas foram “pontuais”.

A Carne Fraca foi criticada pelo ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e até mesmo pelo presidente Michel Temer, que afirmou que o “alarde” provocado pelas investigações gerou “embaraços” ao comércio internacional do Brasil.

A operação, que apontou a adulteração de produtos por frigoríficos –como a adição de produtos químicos para mascarar carne estragada–, assim como a corrupção de servidores responsáveis pela fiscalização, também foi criticada por associações do setor de carnes e por empresas citadas pela PF, como a BRF e JBS.

“Embora as investigações da Polícia Federal visem apurar irregularidades pontuais identificadas no Sistema de Inspeção Federal (SIF), tais fatos se relacionam diretamente a desvios de conduta profissional praticados por alguns servidores e não representam um mal funcionamento generalizado do sistema de integridade sanitária brasileiro”, afirma a nota conjunta.

“O sistema de inspeção federal brasileiro já foi auditado por vários países que atestaram sua qualidade. O SIF garante produtos de qualidade ao consumidor brasileiro.”

As irregularidades apontadas pela PF na sexta-feira levaram vários países a imporem restrições às importações de carne brasileira.

Na sexta-feira, quando a Carne Fraca foi deflagrada, o delegado da PF Maurício Moscardi Grillo, responsável pela operação, a maior da história da Polícia Federal, disse que durante as investigações, que duraram dois anos, os agentes não encontraram nenhuma empresa que não fizesse parte do esquema.

“Nós torcíamos para aparecer uma empresa correta (na operação). Mas não aconteceu”, disse Grillo na ocasião.