Para FHC governo atual é como uma “pinguela”

"Defino o governo atual como uma pinguela, que é algo precário e pequena, mas, se ela quebrar, você cai no rio e é melhor ir para o outro lado", disse FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso comparou o governo conservador de Michel Temer a uma “pinguela”, e pediu que sejam realizadas as reformas necessárias para que o Brasil chegue em condições melhores às eleições de 2018.

“Defino o governo atual como uma pinguela, que é algo precário e pequena, mas, se ela quebrar, você cai no rio e é melhor ir para o outro lado. O outro lado é a eleição de 2018”, disse Fernando Henrique, aos 85 anos, em uma entrevista publicada neste domingo pelo jornal Correio Braziliense.

Em meio à tentativa do governo Michel Temer de tentar acelerar uma agenda de grandes cortes fiscais, o ex-presidente defende a urgência de colocar a economia nos trilhos, inclusive com medidas impopulares.

“A minha preocupação maior é: será que o governo vai ter capacidade de definir o caminho da economia? Acredito que eles estão começando a definir caminhos”, afirmou.

“Temos que tomar medidas drásticas e impopulares”, ressaltou, mencionando entre elas a reforma do regime de aposentadorias.

“O Brasil passa por uma tremenda crise fiscal. Olha que eu peguei pepinos grandes, mas, desse tamanho, eu nunca vi. E o governo Temer já tem definido o seu caminho, mas as pessoas não sabem. Tem de explicar, falar”, avaliou.

Perguntado sobre o escândalo da Lava-Jato, FHC afirma que os maiores problemas do Brasil são “o corporativismo, o clientelismo e a corrupção”.

Mas, para ele, a crise atual é sem precedentes: “Eu nunca vi uma paralisia econômica por tanto tempo no Brasil, uma falta de esperança tão grande. E isso obviamente produz efeitos, juntando isso com a paralisação das instituições, com a crise moral”.

O ex-presidente, contudo, alertou para o risco de uma guinada da sociedade à extrema direita.

“Eu acho que é preciso tomar cuidado, no Brasil, neste momento, está havendo uma onda de direita, de verdade, e eu sou contra. Uma coisa é você ser contra os desvios do PT, outra coisa é apoiar a onda de direita, a bancada da bala (…) Acho que não precisa entrar nessa onda direitistam do ponto de vista de costumes, isso é delicado. A própria estrutura da família mudou. A família hoje é uma coisa diferente do que era antes”, opinou.