Para Alckmin, plano de rodízio da Sabesp é inadequado

No balanço parcial de julho divulgado pela Sabesp, 76% reduziram o consumo de água na Grande São Paulo

São Paulo – O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou nesta quinta-feira, 7, que o rodízio de água elaborado em janeiro pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e entregue ao Departamento de Águas e Energia Elétrica de São Paulo (DAEE) para ser aplicado na região abastecida pelo Sistema Cantareira “é tecnicamente inadequado”.

“É totalmente inadequado (o rodízio), eu diria. Se fizesse o racionamento hoje não teria um ganho a mais. O que nós fizemos já em termos de uso racional da água equivale a um racionamento de 36 horas com água e 72 horas sem água. Perderia o esforço de quase 90% da população evitando o desperdício”, afirmou Alckmin.

No balanço parcial de julho divulgado pela Sabesp, 76% reduziram o consumo de água na Grande São Paulo.

O plano de rodízio no Cantareira foi revelado pelo Estado nesta quinta-feira.

No documento, a Sabesp afirma, em janeiro, que “o rodízio deve ser planejado em face da situação crítica de armazenamento dos mananciais”.

À época, o Cantareira estava com cerca de 25% da capacidade. Nesta quinta, o índice é 14,4% incluindo uma cota de 182,5 bilhões de litros do “volume morto”, reserva profunda das represas que nunca havia sido utilizada.

Alckmin voltou a repetir que o rodízio poderia danificar as tubulações da Sabesp, causando desperdício e contaminação da água.

“Estamos conseguindo superar essa seca duríssima sem levar a população a riscos e sofrimento”, disse o governador, que comparou o clima dos últimos dias ao do deserto e pediu para a população se hidratar.

“As pessoas tem que tomar muita água hoje, fazer pouco exercício ao ar livre”.

O rodízio de água na região abastecida pelo Cantareira foi recomendado no fim de julho pelo Ministério Público Federal (MPF) ao governo Alckmin.

Nessa quarta-feira, os promotores afirmaram que a justificativa apresentada pelo tucano para não adotar o racionamento era incompleta e insatisfatória e definiu prazo até 14 de agosto para que a Sabesp encaminhe os documentos necessários.

A companhia reiterou que a medida “penalizaria a população e poderia produzir efeitos inversos daqueles pretendidos pelos procuradores”.

CPI

Alckmin disse ainda não estar preocupado com CPI da Sabesp instaurada nessa quarta-feira, 6, na Câmara Municipal de São Paulo.

A Comissão Parlamentar de Inquérito foi proposta pelo vereador Laércio Benko (PHS), adversário do tucano na disputa ao governo do Estado nas eleições de outubro, e teve apoio do PT, PMDB, PSD e PP, que também estão em coligações rivais.

O tucano disse esperar que a CPI “não seja por motivação eleitoreira” e que sua preocupação não é com a investigação da Câmara, e sim “com a população”.