Pai de Neymar cogita levar empresas para Espanha

A ideia não é simplesmente fechar as empresas aqui e abrir outras na Espanha, mas continuar operando aqui

São Paulo – As três empresas da família de Neymar (Neymar Sport e Marketing, a N&N Consultoria Esportiva e Empresarial e a N&N Administração de Bens, Participações e Investimentos), criadas par acuidar da carreira e da imagem do craque do Barcelona, fizeram uma consulta à Receita Federal para transferir os seus negócios para a Espanha.

A medida foi tomada em razão dos constantes problemas das empresas com as leis brasileiras de tributação.

O principal motivo de insatisfação do staff de Neymar se refere à tributação dos direitos de imagem feitos sobre a pessoa física do craque.

Os advogados do jogador ameaçam transferir os negócios – rendimento e também tributação – para a Espanha. A ideia não é simplesmente fechar as empresas aqui e abrir outras na Espanha, mas continuar operando aqui.

“A imagem do Neymar foi criada aqui, mas existe a possibilidade de o Brasil ficar sem esses recursos”, afirmou Gustavo Xisto, advogado da família do jogador ao jornal O Estado de S.Paulo.

Em setembro de 2015, o Tribunal Regional Federal bloqueou R$ 188,8 milhões do jogador, do pai e das empresas da família para garantir o pagamento de pendências tributárias e multas.

A decisão atendeu a pedido da Procuradoria da Fazenda Nacional, que também apurou irregularidades. Os advogados do jogador, por outro lado, argumentam que ele pagou cerca de R$ 75 milhões em impostos.

As empresas do jogador também são alvo de investigação do Ministério Público Federal. De acordo com denúncia apresentada na semana passada e rejeitada pela Justiça, a N&N Consultoria Esportiva e Empresarial foi constituída “sem estrutura de funcionamento”.

A empresa teria, ainda segundo o MPF, recebido um empréstimo de 10 milhões de euros do Barcelona em 2011 sem que o clube espanhol exigisse garantias nem estabelecesse cobrança de juros.

Há indícios, inclusive, de que a empresa foi aberta apenas para receber esse dinheiro. O repasse dos 10 milhões de euros foi feito no dia 15 de novembro daquele ano, menos de um mês depois da abertura da empresa.

A acusação é de que o empréstimo foi feito para permitir que Neymar e seu pai deixassem de pagar os impostos sobre o valor transferido.

Também há suspeita de que o empréstimo do Barcelona serviu para dissimular o pagamento adiantado para garantir preferência na contratação do jogador.

Depois que Neymar foi comprado do Santos pelo Barcelona, em 2013, a N&N Consultoria recebeu mais 30 milhões de euros do clube catalão.

Chamou a atenção do MPF também o fato de o capital social registrado ser de R$ 100 mil, divididos entre o pai e a mãe de Neymar.