As melhores e piores 100 grandes cidades do Brasil

Das 10 grandes cidades com melhor desempenho no ranking, oito são de São Paulo, na região Sudeste do país. Maringá, no Paraná, lidera

São Paulo – Desde março de 1999, a técnica de enfermagem Ana Eloiza Rodrigues, de 31 anos, percorre mais de 200 km quando precisa ir ao médico. Depois de receber um diagnóstico equivocado em um posto de saúde em Querência do Norte, no Paraná, ela criou o hábito de se consultar nos hospitais de Maringá, na região Norte do estado.

Segundo Ana Eloiza, que tem três filhos com menos de 12 anos, as mães que habitam Querência do Norte costumam repetir o mesmo trajeto quando precisam de um atendimento médico de qualidade. “Maringá é a nossa referência de bom tratamento”, diz a enfermeira. “Tanto no SUS, como no particular, lá é onde nós procuramos ajuda”.

Com pouco mais de 400 mil habitantes, a cidade de Maringá foi eleita a primeira na lista das melhores grandes cidades do Brasil, segundo estudo da consultoria Macroplan.

Para chegar a esta conclusão, a consultoria analisou os municípios com mais de 266 mil habitantes em 16 indicadores divididos em quatro áreas distintas: saúde, educação e cultura, segurança e saneamento e sustentabilidade. Os pesos dos indicadores e das áreas que compõem o índice foram divididos da seguinte forma: 35,3% para educação e cultura; 35,3% para saúde; 20,6% para infraestrutura e sustentabilidade e 8,8% para segurança.

O ranking foi formado por um índice que vai de 0 a 1 – quanto mais próximo de 1, melhor é a condição de vida no local. 

Na área de saúde, por exemplo, Maringá ficou na 5ª posição entre as 100, com um índice de 0,686. O que, segundo a análise da Macroplan, significa que a cidade tem elevada cobertura de atendimento básico, baixa taxa de mortalidade infantil e elevada proporção de bebês nascidos vivos.

De acordo com Gláucio Neves, diretor da consultoria, Maringá sempre se destacou em gestão pública. “A primeira posição no ranking não foi uma surpresa. Afinal, a cidade tem indicadores muito equilibrados em quase todos os setores”, diz.

Quando o assunto é segurança, no entanto, a cidade deixa a desejar: nessa área, Maringá aparece em 39º lugar entre os 100 maiores municípios do país.

Por lá, segundo o levantamento da Macroplan, a proporção de assassinatos a cada grupo de 100 mil pessoas, por exemplo, é maior do que na cidade de São Paulo, que concentra mais de 12 milhões de habitantes.

Em 2015 – dados mais recentes disponíveis -, a prefeitura de Maringá desembolsou cerca de R$ 37 com segurança pública por pessoa. Para se ter ideia da disparidade, a cidade de Jundiaí, no interior de São Paulo, e que também abriga 400 mil moradores, teve investimento per capita de R$ 96.

Para Neves, diretor da Macroplan, os principais desafios das gestões municipais se resumem em três esferas centrais: aumento da produtividade dos gastos públicos (produzir mais com os mesmos recursos), priorizar os projetos no setor de educação e ter uma governança compartilhada com a sociedade.

“Em períodos de crise é preciso forçar uma reflexão”, afirma. “Essa combinação de fatores torna uma cidade mais eficiente e com serviços melhores para a população. Os prefeitos precisam inovar e buscar formas alternativas de gestão”.

As 100 MAIORES CIDADES

Juntas, de acordo com o levantamento da Macroplan, as cem cidades mais populosas do Brasil representam 39% da população brasileira, produzem 50% do PIB (Produto Interno Bruto) e respondem por 54% dos empregos formais do país.

A região Sudeste é a que concentra a maior parte delas: 49 municípios, sendo 8 deles entre os dez melhores ranqueados. Veja o mapa no fim da reportagem.

Ananindeua (PA), Belford Roxo (RJ) e Macapá (AP), por outro lado, estampam os piores resultados entre as 100 maiores.

Ananindeua, que aparece na 100ª posição no ranking da consultoria, ficou nas últimas posições em todas as quatro áreas analisadas: 96ª em educação, 64ª em saúde, 99ª em infraestrutura e sustentabilidade e 100ª em segurança.

A reportagem de EXAME.com não conseguiu contato com a Prefeitura Municipal de Ananindeua.  Para Gláucio Neves, diretor do estudo, o resultado negativo pode ser explicado pelo baixo capital da cidade, que reduz o poder de gestão.

SOBE E DESCE

Nos últimos dez anos (2005-2010), três cidades sofreram queda abrupta no ranking desenvolvido pela Macroplan. Feira de Santana, na Bahia, por exemplo, caiu 50 posições ao longo da década. Gravataí, no Rio Grande do Sul, perdeu 32, e São Luís, no Maranhão, 27.

Em contrapartida, no mesmo período, Petrolina, em Pernambuco, ganhou 46 posições. Hoje aparece no 45º lugar, com índice de 0,615. Já Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul, cresceu 30 posições, e Campina Grande, na Paraíba, 24.

 

Veja quais são as melhores e piores 100 grandes cidades do Brasil.

Ranking Município UF Índice
Maringá PR 0,731
Piracicaba SP 0,721
São José do Rio Preto SP 0,719
São José dos Campos SP 0,715
Franca SP 0,707
Campinas SP 0,706
Jundiaí SP 0,703
Limeira SP 0,699
Curitiba PR 0,696
10º Sorocaba SP 0,691
11º Ribeirão Preto SP 0,691
12º Taubaté SP 0,690
13º Santos SP 0,689
14º São Bernardo do Campo SP 0,688
15º Londrina PR 0,688
16º Uberlândia MG 0,688
17º Florianópolis SC 0,686
18º Cascavel PR 0,682
19º Vitória ES 0,681
20º Belo Horizonte MG 0,677
21º São Paulo SP 0,673
22º Santo André SP 0,668
23º Montes Claros MG 0,667
24º Uberaba MG 0,666
25º Niterói RJ 0,661
26º Mauá SP 0,661
27º Blumenau SC 0,658
28º Palmas TO 0,657
29º Suzano SP 0,655
30º Taboão da Serra SP 0,651
31º Caxias do Sul RS 0,647
32º Diadema SP 0,646
33º Joinville SC 0,646
34º Campo Grande MS 0,645
35º Mogi das Cruzes SP 0,640
36º Betim MG 0,640
37º Ponta Grossa PR 0,637
38º Bauru SP 0,634
39º Contagem MG 0,633
40º Praia Grande SP 0,627
41º Rio de Janeiro RJ 0,627
42º Santa Maria RS 0,625
43º Goiânia GO 0,622
44º Porto Alegre RS 0,622
45º Petrolina PE 0,615
46º Guarulhos SP 0,614
47º Osasco SP 0,613
48º Juiz de Fora MG 0,609
49º Campina Grande PB 0,600
50º São José dos Pinhais PR 0,599
51º Petrópolis RJ 0,595
52º Boa Vista RR 0,593
53º Carapicuíba SP 0,589
54º São Vicente SP 0,589
55º Governador Valadares MG 0,589
56º Vila Velha ES 0,585
57º Serra ES 0,580
58º João Pessoa PB 0,574
59º Cuiabá MT 0,569
60º Guarujá SP 0,566
61º Campos dos Goytacazes RJ 0,566
62º Fortaleza CE 0,566
63º Vitória da Conquista BA 0,565
64º Anápolis GO 0,562
65º Mossoró RN 0,562
66º Ribeirão das Neves MG 0,558
67º Salvador BA 0,555
68º Caruaru PE 0,553
69º Juazeiro do Norte CE 0,552
70º Itaquaquecetuba SP 0,543
71º Recife PE 0,543
72º Natal RN 0,542
73º Pelotas RS 0,541
74º Teresina PI 0,536
75º Caucaia CE 0,535
76º Cariacica ES 0,532
77º Rio Branco AC 0,529
78º Manaus AM 0,528
79º Gravataí RS 0,523
80º Canoas RS 0,514
81º Olinda PE 0,514
82º Aracaju SE 0,512
83º Camaçari BA 0,512
84º Feira de Santana BA 0,511
85º São Luís MA 0,508
86º Paulista PE 0,499
87º Aparecida de Goiânia GO 0,496
88º Santarém PA 0,491
89º Belém PA 0,486
90º São Gonçalo RJ 0,486
91º Jaboatão dos Guararapes PE 0,486
92º Várzea Grande MT 0,479
93º Maceió AL 0,473
94º Porto Velho RO 0,470
95º São João de Meriti RJ 0,465
96º Duque de Caxias RJ 0,461
97º Nova Iguaçu RJ 0,457
98º Macapá AP 0,434
99º Belford Roxo RJ 0,434
100º Ananindeua PA 0,413

 



AS 100  GRANDES CIDADES DO BRASIL

 

 

FONTE DOS INDICADORES

*Todos os dados foram coletados de órgãos Governamentais da União, dos Estados e Municípios entre os anos de 2004 e 2015. Veja aqui todas as fontes dos indicadores.

Veja também

*A reportagem foi atualizada em 16/03/2017: Diferentemente do informado, Ana Eloiza Rodrigues, moradora de Querência do Norte (PR), é técnica de enfermagem, e não enfermeira. 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Vitor Alves Lima

    Para as cidades de São Luiz e Rio de Janeiro estarem nesta lista, devem ter esquecidos de avaliar os quesitos “segurança e saneamento”.

  2. A linha fina correta seria: “Das 10 grandes cidades com melhor desempenho no ranking, oito são do estado de São Paulo.”

  3. Não acredito nessa pesquisa. Resido em suzano, conheço a cidade toda e garanto, a cidade não tem infraestrutura nehuma muito menos saude, 8 horas para passar pela recepcionista do hospital.

  4. Hahahaha. Esse tipo de artigo me lembra em 2015 ou 2016 que a Firjan publicou a lista das 50 melhnores cidade de se morar no Brasil. 35 eram do Rio de Janeiro. Esse tipo de artigo nao tem nenhuma credibilidade.

    1. O RJ é 3° estado com menos analfabetos, e o quarto melhor índice de qualidade de vida do Brasil (acima do PR, e RS inclusive). Sugiro que passe a conhecer melhor o estado antes de replicar estereótipos midiáticos burros.

  5. Petro Mineiro

    É pra rir né?

  6. Oiram Ortsac

    Esta pesquisa é fajuta e mentirosa como é que bota o Vitória entre as melhores cidades foi só a polícia se ausentar por uma semana para matar em quase 200 pessoas

  7. Fabio Yoshida

    Custa numerar o ranking?

  8. Carlos Filho

    Será que os insignes avaliadores se esqueceram de que A SEGURANÇA é na atualidade o principal quesito e não o último como está na avaliação (8,8%)? Sim por que sem segurança professores, médicos e demais profissionais prestadores de serviço JAMAIS irão trabalhar nestes guetos periféricos. Assim, como podem afirmar que PETRÓPOLIS (51º lugar) limpa, organizada e com transito de 1º mundo (pisou na faixa de pedestres, os carros param), está pior avaliada do que NITERÓI(25º lugar), cidade em que nasci, e que depois da ponte Rio-Niterói, já não presta mais (transito caótico, violência, inchaço urbano, etc, isto sem falar que sempre foi e é uma cidade extremamente escura, com suas lâmpadas de sódio de 80 anos atrás). E o que falar de SÃO GONÇALO(90º lugar), onde moro faz décadas que nem merecia estar nesta lista de tão pessimamente administrada e infra-estrutura pior do que muitos países africanos? Tem ainda SALVADOR (67º lugar) que é imunda, na frente de RECIFE (71º lugar) mais limpa e organizada.Avaliação errada, além de peso ponderal mal distribuído.

  9. Exame.com, favor arrumar o erro “Para ‘ser te’ ideia da disparidade, a cidade de Jundiaí, no interior de São Paulo, e que também abriga 400 mil moradores, teve investimento per capita de R$ 96.”