Novo pedido de impeachment será analisado em mais tempo

Segundo o presidente da Câmara, um novo requerimento de impeachment deve fazer com que ele demore mais para decidir se autoriza ou não o afastamento

Brasília – O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse no final da sessão plenária na noite desta terça, 13, que a decisão da oposição de transformar o aditamento do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff em novo requerimento deve fazer com que ele demore mais para decidir se autoriza ou não o afastamento da petista.

“É claro que vai levar mais tempo”, respondeu.

Após reunião com lideranças da oposição na tarde desta terça-feira, 13, em seu apartamento, o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP), anunciou que os juristas Hélio Bicudo, Miguel Reale Júnior e Janaina Pascoal deverão apresentar na próxima sexta-feira, 16, novo pedido de impeachment.

A decisão foi tomada em razão das liminares concedidas nesta terça, 13, por ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendendo o rito de análise dos antigos processos de afastamento de Dilma informados pelo presidente da Câmara em questão de ordem feita pela oposição. Cunha disse entender que as decisões do STF não proíbem aditamentos.

Para ele, a manifestação dos ministros da Corte diz respeito apenas à votação de recursos em plenário e afirmou estar convencido de que sua prerrogativa constitucional de deliberar sobre os pedidos de impeachment está garantida. O peemedebista não deu prazo para análise do novo requerimento.