São Paulo - Ao menos três dos treze futuros ministros respondem a processos judiciais. É o que afirma uma reportagem publicada pelo “O Globo” desta quarta-feira.

Entre os nomes citados estão da senadora Kátia Abreu, cotada para o Ministério da Agricultura, do senador Eduardo Braga, que deve assumir o Ministério de Minas e Energia e de Helder Barbalho, novo titular para o Ministério da Pesca.

De acordo com o jornal, Kátia Abreu responde a um inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) por falsificação de selo público.

O inquérito contra ela chegou ao STF em outubro deste ano. A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), presidida pela parlamentar, é suspeita de emitir demonstrativos de débitos e contribuições sindicais em papel timbrado com o brasão da República.

No caso do senador Eduardo Braga, a investigação é por suspeita de ter cometido crime eleitoral. O inquérito foi aberto no Amazonas em outubro de 2008, quando o senador era governador do estado. Ele foi acusado de ter enviado a Parintins 15 policiais militares em dois aviões fretados para fazer segurança pessoal de Enéas Gonçalves, o candidato à prefeitura que apoiava.

Já Helder Barbalho é investigado por improbidade administrativa na Justiça Federal do Pará. Uma investigação iniciada no Departamento Nacional de Auditoria do SUS constatou a irregularidade na aplicação de recursos do Ministério da Saúde em Ananindeua entre janeiro de 2004 e junho de 2007.

Barbalho foi prefeito do município a partir de 2005. No ano anterior, ocupava o cargo Clóvis Manoel de Melo Begot, que é investigado no mesmo processo.

Tópicos: Governo, Governo Dilma, Justiça, Ministério da Agricultura, Ministério de Minas e Energia