Miami - A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) condenou nesta terça-feira o assassinato do jornalista Décio Sá no Maranhão, e a morte de Noel Alexander Valados Decoto, apresentador de televisão em Honduras.

A SIP disse que Décio Sá é o quarto jornalista morto no Brasil este ano, e pediu às autoridades que investiguem o crime com prontidão e profundidade para desvendar responsabilidades.

O jornalista foi assassinado na segunda-feira quando se encontrava em um bar em São Luís, capital do Maranhão. Em comunicado, a SIP explicou que um desconhecido atirou seis vezes na cabeça e nas costas de Décio, e depois fugiu em uma motocicleta onde um parceiro o esperava.

O presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação da SIP, Gustavo Mohme, expressou sua solidariedade com os familiares e colegas do jornalista.

"Justo no mesmo dia em que concluímos nossa reunião semestral, na qual destacamos que os crimes contra jornalistas continuam sendo um dos principais problemas enfrentados pela imprensa nas Américas, foi assassinado outro comunicador em nossa região", acrescentou.

Décio Sá era repórter do jornal "O Estado do Maranhão" e em seu blog costumava escrever com estilo crítico sobre a política estadual.

Não se conhece o motivo do assassinato, mas não é descartada a possível relação com sua atividade jornalística, segundo a organização com sede em Miami.

Um oficial de Segurança Pública do Maranhão considerou que o comportamento do assassino, que nem sequer ocultou o rosto, indica que ele ingressou no local com a intenção expressa de executar o jornalista.

Em Honduras, Valados Decoto, apresentador de televisão, foi assassinado no mesmo dia que Décio Sá, junto de outras duas pessoas que o acompanhavam. As autoridades averiguam os motivos do crime, assim como a identidade dos autores, informou a SIP. 

Tópicos: Censura, Liberdade de imprensa, Mortes, Mídia, Setores, Serviços, SIP