São Paulo – Em nenhuma região metropolitana do Brasil o tempo de deslocamento das pessoas para o trabalho é tão grande quanto no Rio de Janeiro. Os moradores levam em média 47 minutos na capital fluminense e arredores até chegar ao emprego, contra 45 minutos e 36 segundos da Grande São Paulo.

O tempo é o maior entre as 10 regiões metropolitanas avaliadas pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em estudo divulgado hoje. Os dados foram retirados da Pnad, do IBGE.

Um em cada quatro moradores da Grande Rio demoram mais de uma hora para chegar ao trabalho. Também esta proporção é a pior do Brasil (veja tabela completa abaixo).

As regiões que sofreram maior piora no cenário urbano nos últimos 20 anos, porém, foram Belém e Salvador, relativamente. Os minutos de deslocamento nelas ainda estão abaixo de Rio e São Paulo, mas aumentaram mais de 25% desde 1992.

Isso se deve, em parte, porque as regiões Norte e Nordeste foram as que apresentaram maior boom na venda de carros e motocicletas nos últimos anos, num ritmo bem maior que a lenta evolução do transporte público.

Apenas Porto Alegre conseguiu manter o tempo médio de deslocamento de seus cidadãos em 30 minutos, exatamente. Segundo o relatório do Ipea, a região metropolitana da capital gaúcha “apresenta melhor distribuição das atividades econômicas, e consequentemente dos empregos, em toda a sua área, além dos atributos positivos do sistema de trânsito e transporte”.

Rio de Janeiro
Os números mostram que os pesados investimentos em infraestrutura e mobilidade urbana no Rio ainda têm de mostrar resultados práticos para a população.

A cidade é hoje o maior canteiro de obras do país. Uma linha eficiente de BRT, a TransOeste, foi inaugurada em 2012.

Mas para que haja uma significativa melhora média nos números, centenas de milhares de pessoas ainda terão de ser beneficiadas com um tempo menor de deslocamento. Segundo o governo, três linhas de BRT e duas novas linhas de metrô devem ser inauguradas até as Olimpíadas na capital fluminense.

Região metropolitana Minutos da casa ao trabalho (1992) Minutos da casa ao trabalho (2012) Variação (%) Porcentagem dos que demoram mais de 1 hora no trajeto (1992) Porcentagem dos que demoram mais de 1 hora no trajeto (2012) Variação (p.p.)
DF 32,8 34,9 6,5% 8,7% 10,6% 1,97
RM Belém 24,3 32,8 35,4% 3,3% 10,1% 6,86
RM Belo Horizonte 32,4 36,6 13,0% 10,6% 15,7% 5,02
RM Curitiba 30,2 32 6,0% 8,6% 11,3% 2,7
RM Fortaleza 30,9 31,7 2,8% 8,1% 9,8% 1,69
RM Porto Alegre 27,9 30 7,6% 6,1% 7,8% 1,7
RM Recife 32,3 38 17,8% 9,6% 14,0% 4,41
RM Rio de Janeiro 43,6 47 7,8% 22,2% 24,7% 2,51
RM Salvador 31,2 39,7 27,1% 8,3% 17,3% 8,97
RM São Paulo 38,2 45,6 19,6% 16,6% 23,5% 6,83

Tópicos: Belém, Cidades brasileiras, Transportes, Ônibus, BRT, Transporte público, Mobilidade urbana, Ipea, PNAD, Estatísticas, Rio de Janeiro, Metrópoles globais, Salvador, São Paulo, Transportes no Brasil, Trânsito