São Paulo – A presidente da República, Dilma Rousseff, voltou hoje às redes sociais após quase três anos ausente com uma ação orquestrada para mobilizar a comunidade virtual: em um longo e bem humorado diálogo com a sua persona “fake” Dilma Bolada (@DiIlma), a mandatária do país chamou a si própria, por meio do perfil humorístico, de “maravilhosa”.

Veja trechos da conversa:

O diálogo, que teve início ao meio-dia desta sexta, não se deu apenas pela internet: Jeferson Monteiro, criador da página Dilma Bolada, esteve no Palácio do Planalto, em Brasília, de onde tuítou ao lado da mandatária.

Após o início bem humorado, no entanto, a presidente voltou a adotar um discurso mais oficial. Incitada por Dilma Bolada, a petista rebateu a capa da revista The Economist, publicada ontem, que questionou se "o Brasil estragou tudo". Dilma disse que a publicação estava "desinformada".

Além de criticar a espionagem norte-americana, ela elogiou ainda programas do governo federal, como o Mais Médicos e o Pronatec, de ensino profissionalizante. 

Comunicação

A ação marca o retorno -  que se pretende triunfal - do governo às redes sociais, canal de comunicação que foi escanteado desde que Dilma assumiu o mandato. O perfil oficial (@dilmabr) não era atualizado desde dezembro de 2010.

Estacionado em 1,9 milhão de seguidores, é possível que ele agora sofra um boom com a reestreia. Após uma hora de tuítes nesta sexta, o assunto já constava entre os trending topics do Twitter, sob a hashtag Dilma Bolada.

Também hoje, foi criada uma conta no Instagram e um perfil no Facebook foi anunciado para breve. Todas as novas contas entram para coroar o novo Portal Brasil, site que o Planalto pretende transformar na porta de entrada dos cidadãos às atividades do governo.

Dilma Bolada

Criado em 2010 pelo estudante de publicidade Jeferson Monteiro, Dilma Bolada é um case de sucesso na criação de perfis de humor. Conhecida pelo bordão "sou linda, sou presidenta, sou Dilma", conta hoje com 145 mil seguidores no Twitter e 512 mil fãs no Facebook.

A repercussão projetou o estudante - a ponto dele participar de campanhas com o governo, como se vê - mas também lhe trouxe problemas. Monteiro afirmou em um episódio que estava sendo alvo de ameaças e pressão política.

Tópicos: Dilma Rousseff, Personalidades, Políticos, Políticos brasileiros, PT, Política no Brasil, Internet, Redes sociais, Twitter, Empresas, Empresas americanas, Empresas de internet