São Paulo – Eram 17 horas e 5 minuntos desta sexta-feira quando o piloto do avião da Avianca comunicou à torre que sua aeronave estava com um problema no trem de pouso e precisaria fazer uma aterrissagem de emergência.

Durante a conversa com a torre de controle, o piloto, mostrando tranquilidade, informou que iria sobrevoar o aeroporto de Brasília por alguns minutos para gastar combustível, minimizando, com isso, o risco de uma explosão. O pouso foi feito de “barriga”, ou seja, apenas com o trem de pouso traseiro.

O avião Fokker 100 fez aterrissou depois que o trem de pouso dianteiro da aeronave não abriu. Apesar do incidente, não houve feridos, segundo informou a Força Aérea Brasileira (FAB).

A Avianca ainda não confirmou a causa do incidente. O avião fazia o voo OC 6393 de Petrolina (PE) a Brasília (DF), com 44 passageiros e 5 tripulantes a bordo. O pouso ocorreu, “de forma segura" às 17 horas 42 minutos, segundo a Avianca.

Dos 44 passageiros, 20 seguiram viagem em voos da própria companhia. Os 14 que tinham Brasília como destino final foram para suas casas, enquanto nove adultos e uma criança foram acomodados em hotel.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) afirmou em nota que as investigações sobre as causas do ocorrido estão sendo realizadas pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), da Aeronáutica.

Outro voo da Avianca apresentou problemas hoje, esse com destino a Fortaleza. O piloto do avião solicitou que o aeroporto se preparasse para uma situação de emergência, mas a aeronave conseguiu pousar normalmente às 15h46. Não havia passageiros nesse voo, apenas tripulação que estava sendo deslocada para a capital cearense.

Tópicos: Aeroportos, Aeroporto de Brasília, Transportes, Transportes no Brasil, Aeroportos do Brasil, Brasília, Avianca, Empresas, Aviação, Setores, Setor de transporte, Veículos, Aviões