Público X Privado

São Paulo - Faltando nove meses para a abertura da Copa do Mundo de 2014, já se pode dizer que a conta do evento pesou mesmo é no bolso dos brasileiros, apesar de promessas em contrário: de cada R$ 10 gastos nos estádios do Mundial, R$ 6 são dinheiro público.

Do orçamento total de R$ 8 bilhões das 12 arenas, R$ 4,8 bilhões saíram dos cofres do governo. Só o de Brasília, Mané Garrincha, custou 1,43 bilhão de reais, tendo como principal companhia outro bilionário, o Maracanã.

Apenas três estádios foram completamente financiados sem recursos dos governos estaduais. 

O governo federal até que não gastou diretamente, mas ajudou com vários incentivos. Um dele é o programa de financiamento do BNDES, que liberou R$3,8 bilhões; o outro é Recopa, regime especial que desonerou a contratação de serviços e a compra de equipamentos de impostos federais como IPI, PIS/Pasep, entre outros. 

Clique nas fotos para conferir levantamento de EXAME.com feito com a ajuda do Sindicato da Arquitetura e da Engenharia (Sinaenco), que mantém o Portal 2014.

*Atualizada no dia 13/9 para mudança dos valores da Arena Fonte Nova, que não contou com recursos públicos em sua construção. 

Tópicos: Copa do Mundo, Futebol, Esportes, Copa do Mundo 2014, Estádio Beira-Rio, Estádios, Incentivos fiscais, Impostos, Maracanã