Uma longa viagem - todos os dias

São Paulo – Nem São Paulo ou Rio de Janeiro. Japeri (RJ), a cidade cujos habitantes mais perdem tempo no percurso para ir e voltar do trabalho, tem apenas 100 mil habitantes e 8,3 mil veículos – uma frota mais de 600 vezes menor do que a que preenche todos os dias as ruas da capital paulista.

Mesmo assim, seus moradores levam, em média, mais de três horas todos os dias para rumar para os respectivos empregos ou retornar para suas casas, segundo estudo da Firjan que analisou os deslocamentos dos moradores de 601 municípios de 37 áreas metropolitanas do país.

A explicação para esse fenômeno (desumano) reside no desequilíbrio econômico entre os municípios de uma mesma região que lega a alguns o papel de cidades-dormitório e a outros, o de cidades com elevada concentração de postos de trabalho.

De acordo com Riley Rodrigues, especialista em Competitividade Industrial e Investimentos do Sistema Firjan, apenas 11% da população ocupada de Japeri tem um emprego formal dentro dos limites do município – os outros 89% trabalham em outras localidades.

Segundo o levantamento, cerca de 23 mil japerienses encaram no mínimo meia hora de trânsito todos os dias antes ou depois de trabalhar.

No Brasil, são mais de 17 milhões de trabalhadores que diariamente enfrentam, em média, 114 minutos para se deslocar de casa para o trabalho e do trabalho para casa em 2012, segundo a pesquisa divulgada no ano passado.

Por ano, o Brasil perde mais de 111 bilhões de reais só com o que deixa de ser produzido quando as pessoas gastam mais de 30 minutos para chegar ou voltar de seus respectivos empregos - a chamada produtividade sacrificada. Isso equivale a 4,4% do PIB em 2012.

Veja, nas imagens, as 10 cidades cujo moradores mais perdem tempo se deslocando para trabalhar. 

Tópicos: Cidades brasileiras, Emprego formal, Mercado de trabalho, Produtividade, Gestão, Trânsito, Mobilidade urbana