Aguarde...

Por um dia | 24/05/2013 06:10

Hoje, sexta-feira, Renan é presidente da República do Brasil

O senador Renan Calheiros será, durante todo o dia de hoje, presidente da República do Brasil por causa da ausência de Dilma e Temer. Ele despachará do Palácio do Planalto

Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL)

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL): no comando do país pela segunda vez. Mas na ocasião anterior, há sete anos, ele não respondia a um inquérito no STF

São Paulo – O presidente do Senado, Renan Calheiros, já ocupa um dos mais altos cargos públicos do Brasil. Mas o peso do parlamentar alagoano se torna maior nesta sexta-feira, 24 de maio: até amanhã, para todos os fins, ele é o presidente da República brasileira.

Como manda a Constituição, Renan ocupa o cargo interinamente porque todo mundo acima dele na linha sucessória está fora do país.

Dilma Rousseff deixou o Brasil ontem à noite e volta somente no domingo de uma visita à Etiópia. O vice-presidente, Michel Temer, também viajou nesta quinta para a posse do presidente do Equador, Rafael Correa, que foi reeleito.

Na ausência de Dilma e Temer, o cargo mais poderoso da República caberia ao presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves. Ele, no entanto, cumpre agenda oficial nos Estados Unidos desde o começo da semana.

Com a volta de Temer neste sábado, Renan deixa de se responsável pelo país. Sua assessoria avisou que hoje ele despachará no Palácio do Planalto.

No fim do ano passado, o senador José Sarney, ainda chefiando o Senado, também sentiu o gostinho de ser presidente da República novamente. Mas seu curto “mandato” foi maior que o de Renan: durou quatro dias.

Segunda vez
Renan, é verdade, já ocupou a presidência da República antes. Era 2006, no governo Lula. Porém, o contexto na época para o político - e o país - era bem diferente.

Há sete anos, Renan não respondia a um inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) por três crimes, resultados da apresentação de notas frias, segundo o Ministério Público, para justificar os pagamentos que um lobista fazia a jornalista Mônica Veloso, mãe de sua filha.

Quando o caso veio à tona, em 2007, Renan teve de renunciar ao cargo, mas foi absolvido da cassação em plenário.

Depois de eleito mais uma vez para comandar o Senado sob fortes protestos este ano – principalmente virtuais, com a coleta de 1,6 milhão de assinaturas contra ele – o parlamentar retoma a cada dia o prestígio político.

As medidas de austeridade anunciadas para aumentar a eficiência da administração da Casa vem rendendo elogios até de senadores críticos à sua nova eleição.

Comentários  

Editora Abril

Copyright © Editora Abril - Todos os direitos reservados