São Paulo - Um dia após a Prefeitura de São Paulo afirmar que o bilhete único mensal deve entrar em vigor no máximo até o início de dezembro, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou nesta quinta-feira, 31, que ainda não há certeza se o Metrô e a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) vão aderir ao projeto.

"Despachei com o doutor João Carlos Meireles e pedi para que ele verifique com a Secretaria de Transportes Metropolitanos e a Prefeitura a forma e o custo de fazer essa integração", disse Alckmin, durante evento de lançamento de uma agência de cinema municipal.

Ele afirma que está sendo "avaliado" se o estado poderia aderir já este ano ao projeto que foi promessa de campanha do prefeito Fernando Haddad.

Questionado sobre as críticas feitas à gestão pelo ex-secretário da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, em entrevista ao jornal Valor Econômico, ele disse que o antigo titular da pasta fez "um bom trabalho" e que "hoje estamos num outro tempo".

Na entrevista, Ferreira disse que Alckmin está aproveitando para colher dividendos políticos com as ameaças feitas pela facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

"O secretário Fernando Grella Vieira está em Brasília num encontro com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e nós vamos fazer um grande trabalho conjunto."

Tópicos: Mobilidade urbana, Bilhete Único, CPTM, Empresas, Estatais brasileiras, Empresas estatais, Governadores, Geraldo Alckmin, Políticos brasileiros, Políticos, Política no Brasil, Metrô de São Paulo, Transportes no Brasil, Transporte público