São Paulo - “Estou indo viajar. Vou ficar fora de São Paulo até o dia 25”, disse a EXAME Sinara Polycarpo Figueiredo, que até há poucos dias era a superintendente de investimentos do banco Santander.

Sinara é a funcionária de mais alto escalão do banco a perder o emprego por causa da polêmica despertada por uma carta enviada em julho aos clientes de alta renda do Santander.

Como vários outros informes de investimentos, o texto associava a presidente Dilma Rousseff à piora do quadro econômico no país, mas sua repercussão despertou a revolta do PT.

Num encontro com sindicalistas no final de julho, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou que o banco deveria demitir os responsáveis pelo informe.

“Essa moça não entende porra nenhuma de Brasil e de governo Dilma. Manter uma mulher dessa num cargo de chefia, sinceramente... Pode mandar ela embora e dar o bônus dela para mim”, disse Lula.

Logo em seguida, o banco pediu desculpas pela carta e assegurou que medidas tinham sido tomadas.

EXAME também apurou que ao menos outras duas pessoas foram demitidas: Eduardo Correia, gerente comercial da equipe que fez o relatório, e a analista que escreveu o texto.

O episódio espalhou o medo entre parte dos investidores de classe média. O temor é que, a partir do caso Santander, bancos e corretoras, com receio da reação do governo, passem a censurar suas análises de conjuntura.

"O banco não cerceia as liberdades individuais de seus funcionários e nossas análises técnicas não se submetem a qualquer tipo de pressão externa. Essas pessoas foram demitidas porque quebraram nosso código de conduta, que diz que não podemos nos manifestar sobre tema político-partidário", diz Marcos Madureira, vice-presidente de comunicação e marketing do Santander.

No meio desse tiroteio, Sinara, a vítima mais graduada, desabafa: "Minha trajetória é impecável e bem-sucedida. Portanto, jamais poderá estar associada a qualquer polêmica. Esse assunto já se esgotou".

Tópicos: Bancos, Finanças, Demissões, Desemprego, Gestão, Dilma Rousseff, Personalidades, Políticos, Políticos brasileiros, PT, Política no Brasil, Economia brasileira, Eleições 2014, Empregos, Governo Dilma, Santander, Empresas, Empresas espanholas, Empresas abertas