Rio de Janeiro – Quarenta especialistas de seis países discutem os temas prioritários que serão levados pelo Brasil à 19ª Conferência das Partes da Convenção - Quadro da Organização das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP-19), que ocorrerá de 11 a 22 de novembro, em Varsóvia, na Polônia.

Os especialistas estão reunidos, desde ontem (28), na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) e participam da The Rio Climate Challenge: Rio Clima.

O primeiro evento foi no ano passado, em paralelo à Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), e visou a discutir as mudanças climáticas, que ficaram de fora da pauta oficial.

O primeiro Rio Clima terminou com cinco recomendações que foram entregues à presidenta Dilma Rousseff e encaminhadas à COP-18.

Segundo o conselheiro do Instituto OndAzul, André Esteves, um dos coordenadores da Rio Clima, a conferência deste ano tratou dessas cinco recomendações. “Como é que se desenvolvem ações para que essas recomendações do evento do ano passado possam se materializar a partir de agora”.

As conclusões serão apresentadas, em Varsóvia, pelo presidente da Subcomissão Especial da COP-19, deputado federal Alfredo Sirkis (PSB-RJ).

Na parte relativa à questão tributária, André Esteves informou que o debate é sobre como fazer um Produto Interno Bruto (PIB) – que é a soma de todos os bens e serviços fabricados no país – verde. O

indicador mede o desenvolvimento sustentável dos países, englobando as três vertentes: econômica, social e ambiental.

O PIB sustentável inclui a fixação de prçeos para serviços ambientais prestados por ecossistemas.

Outro tema que está sendo debatido diz respeito à redução das emissões de carbono para se atingir a meta da ONU de emissão de 450 ppm (partes por milhão) de gases do efeito estufa, com o objetivo de que o aumento da temperatura global não ultrapasse os 2 graus Celsius (ºC).

“E também como pode ser feito um trabalho de desenvolvimento com base na sustentabilidade para que, efetivamente, a meta abaixo de 2ºC seja a perspectiva para os próximos anos”, reiterou Esteves. O fim dos subsídios ao carvão e ao petróleo também constam da pauta do encontro.

Tópicos: Clima, Meio ambiente, PIB, Indicadores, Rio de Janeiro, Cidades brasileiras, Metrópoles globais