São Paulo - Sem incidentes graves, a maior edição do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), que ocorreu no fim de semana, foi também a que registrou recorde no número de faltosos. Dos 7,1 milhões de inscritos, mais de 2 milhões (29%) não compareceram na prova, segundo dados preliminares do Ministério da Educação (MEC). O índice representa prejuízo estimado em R$ 103 milhões, com base no custo por inscrito.

A taxa de abstenção cresceu em relação a 2012, quando 1,6 milhão de inscritos (27,9%) faltaram. O índice projetado pelo MEC neste ano só é menor do que o registrado em 2009, quando 37,7% não compareceram - naquele ano, entretanto, o exame havia sido remarcado, depois do vazamento da prova, o que prejudicou a participação.

Em 2011, a média de faltas foi de 26,4% e, em 2010, de 28%. O MEC chegou a anunciar que criaria medidas para inibir faltosos, mas recuou. Em vestibulares tradicionais, a abstenção fica em torno de 10%.

Morte

Um jovem de 26 anos morreu no sábado, 26, em Varginha, Minas, quando seguia para fazer o Enem. Fernando Ximenez ia de moto na BR-491 quando um caminhão invadiu a contramão e o atingiu. Ele foi hospitalizado, mas não resistiu.

Segundo a Polícia Rodoviária, o motorista do caminhão mudou de faixa após uma parada brusca do tráfego. O bafômetro não detectou sinais de embriaguez. Pelas redes sociais, amigos e parentes lamentaram a morte. O mesmo fez o ministro Aloizio Mercadante.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tópicos: Educação no Brasil, Enem, MEC, Universidades, Ensino superior