São Paulo  - A quantidade de inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) pulou de 4,03 milhões para 7,11 milhões entre 2009 e 2013, mas poucos candidatos extras vêm direto da educação básica.

Embora avaliar o ensino médio fosse o objetivo da prova, quando criada, há 15 anos, 77% dos candidatos desta edição já estão fora da escola. Útil para vários objetivos - como vestibular de instituições públicas, acesso a bolsas em particulares, diploma de ensino médio e intercâmbio pelo Ciência sem Fronteiras - a prova tem atraído cada vez mais pessoas fora do grupo de concluintes do ensino médio.

Com dois filhos e dois netos, Brivaldo Maciel sequer passou pelo 3.º ano. Aos 57 anos, vai fazer o Enem para conseguir o certificado do ensino médio. Motorista de ônibus por mais de 20 anos, parou há dois anos para poder completar os estudos. Seu sonho é ser aprovado no exame e fazer o curso de Direito. Se não passar, pretende tentar de novo em 2014.

"Não tenho problema para desenvolver uma ideia, mas me enrolo com gramática", reconheceu ele, que divide o tempo entre biscates e aulas em um centro de educação para jovens e adultos no Recife. Um dos mais velhos da turma, e ganhou o apelido de "coroa" e "veinho".

Mariana Araújo, de 21 anos, acreditava que a fase de vestibulares havia ficado para trás quando entrou na Universidade Federal do Espírito Santo, em 2010. A situação mudou em junho deste ano, quando a jovem, que cursa Engenharia Civil, soube que o Enem se tornou obrigatório para o Ciência sem Fronteiras, que dá bolsas a alunos de graduação e pós no exterior.

Sem opções, após recorrer ao Ministério da Educação e à Justiça, ela fará o exame para tentar a viagem ao Reino Unido. "É difícil estudar porque tenho faculdade e estágio. Comecei há poucos dias." Para ela, as dificuldades são Biologia e Geografia, que usa pouco na faculdade.

Dicas - Na reta final, a especialista em educação Andrea Ramal recomenda fazer edições antigas do Enem para ficar mais acostumado com o formato da prova. Para quem se desdobra em vários processos seletivos, ela diz que é preciso priorizar o de mais interesse. "Mas, de modo geral, se estuda bem para um, está preparado para os outros", afirma Andrea.

Tópicos: Educação no Brasil, Enem, MEC, Ensino público, Ensino superior