São Paulo – Nestor Cerveró, ex-diretor da área Internacional da Petrobras, alterou o teor de seus relatos em depoimento prestado à Procuradoria Geral da República sob acordo de delação premiada fechado com a força-tarefa da Operação Lava Jato.

De acordo com informações do jornal Valor Econômico, o ex-diretor da estatal apresentou uma versão no resumo sobre o que tinha para revelar apresentado durante as negociações para fechar a delação, mas teria contado outras histórias no depoimento oficial – que corre em segredo de Justiça.

Por exemplo, enquanto negociava o acordo, Cerveró disse que 4 milhões de dólares em propina teriam sido repassados pela Odebrecht para a campanha à reeleição de Luiz Inácio Lula da Silva, em 2004. Segundo o delator, o dinheiro teria sido desviado da obra de Renovação do Parque de Refino (Revamp) da refinaria de Pasadena, no Texas.

No depoimento de delação premiada, contudo, exclui a Odebrecht do pagamento de caixa 2 à campanha. No lugar, afirma que a UTC foi a fonte para a suposta propina e que o destino dos recursos, repassados à campanha de 2006, teriam sido decididos pelo senador Delcídio do Amaral (PT), preso em novembro passado por tentar atrapalhar as investigações da Lava Jato.

Já as três citações que ele fez sobre Dilma Rousseff na prévia da delação sobre ao compra da refinaria de Pasadena sumiram nos depoimentos oficiais.

No resumo, o ex-diretor da Petrobras afirma que a presidente o teria incentivado para “acelerar as tratativas sobre Pasadena” e que ela “sempre esteve a par de tudo que ocorreu na compra” da refinaria. Cerveró ainda afirmou que Delcídio era próximo de Dilma e que teria participado de reuniões entre ele e a presidente sobre a aquisição.

Nada disso, contudo, aparece nos documentos obtidos pelo Valor que trata dos depoimentos. 

Ao Valor, o Instituto Lula disse que o assunto deve ser tratado com o tesoureiro responsável pela campanha de Lula em 2006 ou pelo partido. Já o Palácio do Planalto afirmou que a compra de Pasadena foi autorizada com base em resumo executivo elaborado por Cerveró "técnica e juridicamente falho". A UTC Engenharia, por sua vez,  disse que "nunca foi contratada e não executou obras na refinaria de Pasadena, Texas (EUA)". 

Tópicos: Corrupção, Escândalos, Fraudes, Delcídio do Amaral, Dilma Rousseff, Personalidades, Políticos, Políticos brasileiros, PT, Política no Brasil, Presidente Lula, Luiz Inácio Lula da Silva, Operação Lava Jato, UTC