São Paulo – Em depoimento ao site Memória Petrobras em 2003, o ex-gerente de Responsabilidade Social da estatal, Armando Tripodi, afirmou que o Sindicato dos Químicos e Petroleiros da Bahia usaram seu imposto sindical para bancar a campanha eleitoral de Lula à Presidência em 2002. 

“Pela minha experiência toda, eu me agreguei à coordenação da campanha. Montamos um comitê no sindicato. Aprovamos na assembleia uma contribuição. A categoria aprovou todo imposto sindical da categoria ser destinado à campanha de Lula”, diz a declaração de Tripodi ao portal institucional da Petrobras.

“Com isso a gente obteve um recurso fantástico, montamos uma lojinha, fizemos todo um trabalho de mandar matéria para o interior, alugamos carro”, completa. 

Conforme previsto pela legislação eleitoral, os sindicatos e as entidades de classe são proibidos de fazer doações diretas ou indiretas. 

De acordo com um levantamento feito pelo jornal Folha de S. Paulo, a prestação de contas da campanha de Luiz Inácio Lula da Silva em 2002 não registra nenhum repasse do sindicato. 

Tópicos: Eleições, Presidente Lula, Luiz Inácio Lula da Silva, Personalidades, Políticos, Políticos brasileiros, PT, Política no Brasil, Petrobras, Empresas, Capitalização da Petrobras, Estatais brasileiras, Petróleo, gás e combustíveis, Empresas brasileiras, Empresas estatais, Empresas abertas, Indústria do petróleo