Grandes e populosas

São Paulo - Estudo divulgado nesta quarta-feira pelo Observatório das Metrópoles do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia analisa as 15 principais regiões metropolitanas brasileiras e revela quais oferecem mais -e menos - bem-estar para a população.

Os municípios da região de Campinas, no interior de São Paulo, atingiram a melhor colocação no Índice de Bem-estar Urbano (IBREU), que é composto pelos itens: mobilidade urbana, condições ambientais, condições habitacionais, atendimento de serviços coletivos e infraestrutura urbana. O estudo é baseado em dados do Censo Demográfico de 2010 do IBGE.

Fatores como tempo de deslocamento casa/trabalho, arborização no entorno dos domicílios, iluminação pública, saneamento e coleta adequada de lixo são considerados para a composição de cada categoria do índice.

O IBREU varia entre zero e um: quanto mais próximo de um for o resultado, melhor. A média do conjunto das 15 regiões metropolitanas analisadas foi de 0,605. 

As melhores colocadas foram Campinas, Florianópolis, Curitiba, Goiânia e Porto Alegre. Entretanto, Campinas foi a única a atingir uma avaliação considerada “boa” ou “excelente” de bem-estar, acima de 0,8.

Rio de Janeiro, foi a única região do Sudeste a ficar abaixo da média geral, com pontuação de 0,507. Clique nas imagens para ver o desempenho das regiões metropolitanas.

Tópicos: Belo Horizonte, Minas Gerais, Cidades brasileiras, Belém, Campinas, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Habitação no Brasil, Infraestrutura, Manaus, População brasileira, Porto Alegre, Qualidade de vida, Recife, Rio de Janeiro, Metrópoles globais, Salvador, São Paulo, Transporte público, Vitória