Brasília - Líderes de oposição na Câmara cobraram nesta terça-feira, 15, a demissão do ministro da Educação, Aloizio Mercadante.

No acordo de delação premiada, homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o senador Delcídio Amaral (PT-MS) informou que o ex-chefe da Casa Civil do governo Dilma Rousseff prometeu dinheiro e ajuda para que Delcídio deixasse a prisão e escapasse do processo de cassação de mandato no Senado.

A informação foi publicada pelo site da revista Veja nesta manhã.

"O governo está em metástase, acabou", comentou o líder do PPS, Rubens Bueno (PR). Diante da denúncia, o parlamentar disse que não há outra alternativa senão a demissão imediata do ministro da Educação.

"O governo perdeu o mínimo de equilíbrio para continuar governando".

O líder do PSDB na Câmara, Antonio Imbassahy (BA), lembrou que Delcídio foi preso por tentativa de obstrução das investigações da Operação Lava Jato e que a mesma acusação caberia a Mercadante. "Se (o governo) tivesse dignidade, exoneraria imediatamente o ministro", afirmou.

Segundo a reportagem, o objetivo de Mercadante era evitar que o senador, antes considerado peça-chave do governo na estratégia de evitar o avanço da Operação Lava Jato, fizesse um acordo de delação premiada.

A tentativa de negociação não foi feita diretamente com o senador, que estava preso, mas com seu assessor José Eduardo Marzagão. A colaboração de Delcídio foi homologada nesta terça-feira pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal.

Tópicos: Políticos, Políticos brasileiros, Aloizio Mercadante, Política no Brasil, Delcídio do Amaral