São Paulo - Dois arquitetos foram alvo de ataques a golpes com luminária de ferro na madrugada do último sábado na esquina da Avenida Paulista com a Rua Augusta, região central de São Paulo. A polícia vai investigar se o crime teve motivação preconceituosa, praticado por grupos homofóbicos que já protagonizaram casos similares de violência na área nos últimos meses.

As agressões ocorreram pouco antes das 5h, quando os arquitetos Bruno Chiarioni Thomé, de 33 anos, e Rafael Ramos, de 30, caminhavam pela Rua Augusta em direção à Paulista após deixar uma casa noturna. Eles foram atacados perto da Estação Consolação do Metrô. "A primeira coisa que senti foi uma pedrada, ou uma garrafada. Vimos um grupo de seis pessoas do outro lado da rua e fomos perguntar o que estava acontecendo. Aí eles já começaram a nos bater", diz Thomé, com sete pontos na cabeça e um dedo da mão quebrado.

Com uma luminária de ferro, os agressores deram início à agressão que, segundo Thomé, teria sido provocada por homofobia. "Certamente eles acharam que eu e meu amigo éramos um casal, porque quando chegamos já falavam "sai daqui, seu veadinho" e outras coisas desse tipo. Não somos gays e não tenho nada contra homossexuais, pelo contrário. Isso tudo está se tornando um absurdo", argumenta.

A dupla diz que nada foi roubado e que não observou características físicas marcantes no grupo, que conseguiu fugir pelo metrô. Os arquitetos foram socorridos por seguranças da companhia. A ocorrência foi registrada no 8.º DP (Belenzinho) para que a polícia identifique os agressores. A reportagem não conseguiu contato com um responsável do Metrô na noite de ontem.

Com o caso deste fim de semana, já são pelo menos seis ataques com suspeitas de motivação homofóbica na região da Avenida Paulista desde novembro de 2010, quando cinco adolescentes agrediram três pessoas na avenida. No ataque, foi usada uma luminária do tipo bastão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tópicos: Crime, Gays, Preconceitos, São Paulo, Cidades brasileiras, Metrópoles globais, Violência urbana