São Paulo - A população negra brasileira ainda enfrenta um abismo de desigualdade. São os negros as maiores vítimas da violência e os que sofrem mais com a pobreza. Eles também têm pouca representatividade nas esferas políticas e tem renda média muito menor que a dos brancos.

A discussão sobre estas barreiras a serem superadas volta ao centro do debate nesta quinta-feira, quando o Brasil comemora o Dia da Consciência Negra. A data foi escolhida por ser o dia da morte de Zumbi dos Palmares, símbolo da luta pela liberdade e valorização do povo afro-brasileiro. Dos mais de 5,5 municípios do país, apenas 1.047 adotaram feriado na data.  

Veja a seguir alguns dados que mostram esse abismo:

1. Mulheres negras são as que se sentem mais inseguras

Dados do IBGE mostram que as mulheres negras, quando comparadas com outros segmentos da população, são as que se sentem mais inseguras em todos os ambientes, até mesmo em suas próprias casas.

PROPORÇÃO DA SENSAÇÃO DE SEGURANÇA SEGUNDO LOCAL, SEXO, COR/RAÇA

Juliana Pimenta/ EXAME.com

Infográfico com dados que mostram que mulheres negras se sentem mais inseguras

Fonte: IBGE 2010

Esse padrão de vulnerabilidade se repete em outros indicadores de violência. Segundo dados do IBGE e do Ipea, a população negra é vítima de agressão em maior proporção que a população branca – seja homem ou mulher.

Sexo/cor Vítimas de agressão
Homens brancos 1,50%
Homens negros 2,10%
Mulheres brancas 1,10%
Mulheres negras 1,40%

2. Brasil só teve um presidente negro

Arquivo Nacional Brasileiro

Nilo Peçanha, presidente do Brasil entre 1909 e 1910

Nilo Procópio Peçanha foi o primeiro – e até agora o único - presidente do Brasil negro. Filho de pai negro e mãe branca, Peçanha assumiu a presidência após a morte de Afonso Pena e ficou no cargo entre 1909 e 1910.

3. Negros são maioria no Bolsa Família 

ROBERTO SETTON /EXAME

Família que usa o Bolsa Família

A população negra é também mais vulnerável à pobreza. Sete em cada 10 casas que recebem o benefício do Bolsa Família são chefiadas por negros, segundo dados do estudo Retrato das desigualdades de gênero e raça, do Ipea.

O perfil dos domicílios das favelas brasileiras também aponta para o abismo social que ainda persiste entre brancos e negros no Brasil. Dois terços das casas presentes nestas regiões são chefiadas por homens ou mulheres negros.

4. Joaquim Barbosa foi o primeiro presidente negro do STF

Carlos Humberto/SCO/STF

Presidente do STF, Joaquim Barbosa, em sessão plenária

Presidente do STF, Joaquim Barbosa, em sessão plenária

Antes de Joaquim Barbosa, o Supremo Tribunal Federal teve apenas outros dois ministros negros. O último deles, Hermenegildo de Barro, saiu do cargo em 1931. Ou seja, a corte ficou 72 anos sem nenhum representante afrodescendente. Em 2012, Barbosa se tornou o primeiro presidente negro da mais alta corte do país. 

5. Mulheres negras são mais atingidas pelo desemprego

Entre a população negra, a taxa de desemprego é maior que entre os brancos. Segundo dados do estudo Retrato das desigualdades de gênero e raça, do Ipea, enquanto o desemprego atinge 5,3% dos homens brancos, entre os negros, o índice chega a 6,6%.

Entre as mulheres, a diferença é ainda maior. Entre as brancas, o desemprego é de 9,2% enquanto entre as mulheres negras, ultrapassa os 12%.

6. Taxa de analfabetismo é duas vezes maior entre os negros

Tânia Rêgo/Agência Brasil

Governo divulga o resultado preliminar do Censo Escolar de 2014

Em 2013, a população branca tinha 8,8 anos de estudo em média, já a negra, 7,2 anos. A diferença, no entanto, já foi maior. Em 1997, os brancos chegavam a estudar por 6,7 anos em média e os negros paravam nos 4,5 anos – isso seria o equivalente ao primeiro ciclo do ensino fundamental.

Mesmo assim, a taxa de analfabetismo entre os negros (11,5) é mais de duas vezes maior que entre os brancos (5,2).

7. Renda dos negros é 40% menor que a dos brancos

Rendimentos médios reais recebidos no mês

Raça/Cor Renda média
Brancos R$ 1.607,76
Negros R$ 921,18
Brasil R$ 1.222,90

Fonte: Anexo estatístico da publicação Políticas Sociais

8. Menos de um terço dos candidatos a governador nas eleições deste ano eram pardos ou negros

Cargo Cor/Raça Número de candidatos %
Presidente Branca 10 90,91
  Preta 1 9,09
Subtotal   11  
Vice-presidente Branca 8 72,73
  Parda 1 9,09
  Preta 2 18,18
Subtotal   11  
Governador Amarela 1 0,64
  Branca 105 66,88
  Parda 36 22,93
  Preta 15 9,55
Subtotal   157  
Vice-governador Branca 95 60,13
  Indígena 1 0,63
  Parda 40 25,32
  Preta 22 13,92
Subtotal   158  
Senador Branca 107 66,88
  Indígena 3 1,88
  Parda 36 22,5
  Preta 14 8,75
Subtotal   160  
Deputado Federal Amarela 34 0,6
  Branca 3.281 57,75
  Indígena 19 0,33
  Parda 1.791 31,53
  Preta 556 9,79
Subtotal   5.681  
Deputado Estadual Amarela 67 0,48
  Branca 7.209 52,15
  Indígena 49 0,35
  Parda 5.247 37,96
  Preta 1.252 9,06
Subtotal   13.824  
Deputado Distrital Branca 492 50,77
  Indígena 2 0,21
  Parda 376 38,8
  Preta 99 10,22
Subtotal   969  

Tópicos: Negros, População brasileira