Procurados internacionalmente

São Paulo – Segundo o site da Interpol, 160 brasileiros são procurados em todo o mundo e podem ser presos a qualquer momento em algum dos 190 países onde a polícia internacional está representada.

Do Brasil, dentre dezenas de anônimos, pelo menos três são famosos: o médico Roger Abdelmassih, o deputado federal Paulo Maluf e seu filho, Flávio Maluf, os dois últimos acusados de desviar milhões de dólares dos cofres públicos de São Paulo.

A inclusão na lista vermelha da Interpol depende apenas da iniciativa de qualquer país em que um brasileiro, respondendo a um processo judicial ou procurado para cumprir sentença, encontre-se foragido.

Mas na hora de colocar criminosos efetivamente atrás das grades, tudo vai depender de alguns fatores. São dois cenários principais.

O primeiro é se o brasileiro estiver sendo procurado por crimes cometidos em outro país, mas está em território nacional. Neste caso, jamais será deportado, pois a Constituição não permite. É o caso de Paulo Maluf.

Estivesse Maluf em outro país, no entanto, poderia acabar extraditado aos Estados Unidos para responder a um processo por lá.

A segunda possibilidade é do próprio Brasil estar atrás de um cidadão que no momento vive (ou se esconde) em outro país. Para que essa pessoa seja enviada de volta, será preciso averiguar se a Interpol está presente na nação em questão. Se esta pessoa tiver também a nacionalidade de onde se encontra, é mais improvável que seja extraditada. E é preciso ver se há tratado de extradição entre os dois países.

Clique nas fotos para conferir 10 brasileiros, entre conhecidos e anônimos, acusados de todos os tipos de crimes e procurados internacionalmente.

Tópicos: Crime no Brasil , Interpol, Paulo Maluf, Políticos brasileiros, Prefeitos, Políticos, Política no Brasil