No Rio, Freixo assume 2° lugar, aponta Datafolha

Marcelo Crivella (PRB) permanece na primeira posição, segundo instituto.

São Paulo — Na véspera das eleições para a Prefeitura do Rio de Janeiro, o candidato Marcelo Freixo (PSOL) aparece isolado na segunda posição, aponta pesquisa Datafolha, divulgada no início da noite deste sábado (01). Segundo o instituto, essa é a primeira vez que um candidato no Rio aparece com maior probabilidade de estar na 2° posição.

Freixo aparece com 16% das intenções de voto, enquanto Pedro Paulo (PMDB) aparece com 12%. A primeira posição continua com o senador Marcelo Crivella (PRB), que tem 32% das intenções.

Índio da Costa (PSD) aparece na mesma pesquisa com 11%, Carlos Roberto Osório (PSDB) com 10%, Flávio Bolsonaro (PSC) com 8% e Jandira Feghali (PC do B) com 7%. 

A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O levantamento foi feito ontem (30) e hoje com 2.159 eleitores.

2° turno

De acordo com o Datafolha, a vantagem de Crivella no 2° turno caiu consideravelmente, se comparada à registrada no levantamento feito no início da semana.

Antes, o senador do PRB apareceria com 22 pontos percentuais acima de Freixo. No levantamento de hoje, a vantagem cai para cinco pontos: Crivella teria 42% e Freixo 37%.

Contra Índio da Costa, a vantagem de Crivella seria de dois pontos percentuais: 41% contra 38%. Se fosse para o 2° turno com Pedro Paulo, o senador teria 22 pontos a mais: 47% de Crivella contra 25%. 

IBOPE

O Ibope também divulgou sua última pesquisa antes do 1° turno das eleições municipais do Rio de Janeiro. Crivella aparece em 1° lugar com 38% das intenções de voto, Freixo fica na 2° posição, com 14%. Pedro Paulo tem 11%.

Flávio Bolsonaro e Indio da Costa têm 10% das intenções cada. Jandira Feghali tem 7% e Osorio tem 6%. Alessandro Molon (Rede), Carmen Migueles (Novo), Cyro Garcia (PSTU) e Thelma Bastos (PCO) registram menos de 2% das intenções. 

2° turno

No segundo turno, segundo o Ibope, Crivela venceria independentemente de quem fosse seu adversário. Se a disputa fosse com Freixo, o placar seria de 47% a 25%. Brancos e nulos seriam 21% dos votos e 7% dos entrevistados não souberam ou não responderam. 

Em um cenário em que Crivella disputasse com Pedro Paulo, o placar seria de 49% a 21%, com 23% dos votos nulos.