Nível do Cantareira fica estável e dois mananciais têm queda

Segundo a Sabesp, as captações de chuva acumulam neste mês de março apenas 2,1 milímetros (mm)

São Paulo – O nível do Sistema Cantareira, principal manancial de abastecimento da região metropolitana de São Paulo manteve-se hoje (4), pelo terceiro dia consecutivo, em 11,7% de sua capacidade de operação.

Segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), as captações de chuva acumulam neste mês de março apenas 2,1 milímetros (mm), bem abaixo do volume registrado em igual período do mês passado (44 mm). A média histórica para este mês é de 178 mm.

As pancadas de chuva podem voltar a ocorrer hoje em parte da Região Sudeste, de acordo com o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Cptec), podendo atingir as áreas onde se localizam algumas nascentes que ajudam a alimentar a primeira cota da reserva técnica, na qual está sendo retirada a água para distribuição na Grande São Paulo e parte da capital paulista.

A Sabesp informou que o universo atendido pelo Sistema Cantareira oscila de 6,2 milhões a 6,5 milhões de pessoas em razão das reduções ocasionais de pressão sobre a vazão.

No Sistema Alto Tietê, o nível também ficou estável em 18,9%. Desde o começo do mês, este sistema cumula 21,3 mm de chuva. Para todo o mês são esperados 172,4 mm.

Nos demais mananciais administrados pela Sabesp, dois apresentaram quedas e dois tiveram elevação no armazenamento.

Na Represa de Guarapiranga, o índice subiu de 62,8% para 63%; no Rio Claro (de 38,4% para 38,5%) ; no Sistema Rio Grande, o volume baixou de 85,7% para 85,4% e no Alto Cotia, (de 40,9% para 40,8%).