Na Coreia, Doria é chamado de “futuro presidente do Brasil”

Nas sete reuniões em dois dias de missão oficial, Doria foi tratado como chefe de Estado ao buscar investidores para seu plano de privatização

Ao chegar anteontem à sede da Korea Investment Corporation (KIC) a agência pública responsável pelo Fundo Soberano sul-coreano, o prefeito João Doria (PSDB) foi surpreendido ao ouvir do CEO, Hyun Man Choi, o pedido de um foto “ao lado do futuro presidente do Brasil”.

O tucano sorriu e despistou, dizendo que era “apenas o prefeito”. Ao contar o episódio, um auxiliar comenta que as notícias “correm rápido”.

Nas sete reuniões de trabalho em dois dias de missão oficial, Doria foi tratado como chefe de Estado ao buscar investidores para seu plano de privatização.

Embaixador do Brasil na Coreia, Luis Fernando Serra reconhece que a agenda “foi mais densa” do que as visitas do gênero. Em seu 10.º posto diplomático, ele não se lembra de um prefeito que tenha buscado recursos de modo tão intenso.

No caso da KIC, a agência demonstrou preocupação com a crise política e relatou perda de dinheiro no Brasil no setor de petróleo e gás.

“Com a Lava Jato, o Brasil está sendo passado a limpo. A opinião pública internacional vê isso com bons olhos”, disse o prefeito.

Dominada por reuniões com empresários, a agenda do tucano – que recebeu o título de cidadão honorário de Seul – também teve espaço para políticos.

Um dos encontros foi com o prefeito Park Won Soon, de um partido de esquerda e que não comunga com privatizações.

Após negociar com Doria, a Samsung vai fazer testes em São Paulo nos próximos três meses para implementar o bilhete único no celular.

“Será possível fazer pagamentos com a simples aproximação do celular, por leitores óticos”, disse Doria.

Questionado pelo Estado sobre qual será a contrapartida para a empresa, ele afirmou que o bilhete único dá acesso a 15 milhões de consumidores, mas garante a privacidade.

“Na emissão do bilhete único você já sabe o CPF. As demais informações só serão apresentadas com autorização de cada cidadão.”

Na visita ao Transportation & Information Service, centro de inteligência de transporte, ele perguntou quem bancava o sistema. Ao ouvir que era a prefeitura, brincou: “Nada como ter uma prefeitura que tem dinheiro”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Antonio Carlos Nobiling Schnitzlein

    Por favor, alguém avise ao Dória para esperar 2022. O mesmo recado eu mandei ao Affif em 1989. Outro conselho ao Dória: antes de comprar os super programas da Korea (lembrar que os terríveis terremotos também “abriram” espaços na cidade) há programas nacionais para otimização da ocupação de ônibus, que evitam ônibus articulados trafegarem.por exemplo, na avenida Sumaré, com 25% de ocupação. Estamos pagando por espaços vazios em ônibus via subsídios.

  2. Pedro Evandro Montini

    Como as eleições há muito tempo são manipuladas mesmo, pelo jeito algum trapalhão deixou vazar o escolhido da vez para a presidência do país.