Na Câmara, deputado pede até desobediência civil contra Temer

Na Câmara, a sessão seria em homenagem às defensorias públicas do país, mas o assunto foi o menos abordado

Brasília — O dia, como era de se esperar, amanheceu tenso no Congresso. Tanto na Câmara como no Senado, somente a oposição estava presente. Deputados e senadores pediam a renúncia do presidente Michel Temer na esteira das denúncias de que ele teria pedido para Joesley Batista, do Grupo J&F, mantivesse os pagamentos para comprar o silêncio do ex-deputado preso Eduardo Cunha.

Na Câmara, a sessão seria em homenagem às defensorias públicas do país, mas o assunto foi o menos abordado. Parlamentares se revezavam em críticas a Temer e ao senador Aécio Neves, também envolvido a denuncia de Joesley.

“Ninguém esperava isso, não é? É difícil até fazer uma avaliação”, disse o deputado à reportagem o deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS). “Para o Aécio, caiu a casa. A se confirmar, o presidente também não tem mais condições”.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS), na tribuna, pediu a renúncia e a desobediência civil, se fosse o caso, contra os atos do presidente Michel Temer.

Enquanto isso, bancadas da base se reuniam para decidir os próximos passos. O PSDB estava reunido desde o meio da manhã para tentar eleger um novo presidente, já que Aécio Neves foi afastado do cargo e tem seu pedido de prisão para ser decidido pelo STF.

Veja também
Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Rui Ferreira

    O legal é que só defendem desobediência civil quando estão na oposição.