MP vai investigar patrimônio de ex-coordenador de presídios

O Ministério Público Estadual já tem informações que justificam a investigação de Hugo Berni Neto por suspeita de enriquecimento ilícito

Sorocaba – O Ministério Público Estadual já tem informações que justificam a investigação do ex-coordenador de presídios da Grande São Paulo, Hugo Berni Neto, por suspeita de enriquecimento ilícito.

Com salário bruto de R$ 18 mil mensais, o servidor acumula fortuna que pode chegar a R$ 15 milhões. A suspeita é de que uma empresa da família do ex-coordenador, Midas Empreendimentos Imobiliários Ltda, tenha sido usada para lavagem de dinheiro.

O caso foi revelado pelo jornal Folha de São Paulo.

Localizada na Vila Augusta, próxima da Delegacia Seccional da Polícia Civil, a empresa está em nome da irmã do ex-coordenador, Rita de Cássia Berni e não aparece com destaque no mercado imobiliário da cidade.

A evolução do capital social chama a atenção: era de R$ 2 mil em 2011, quando a empresa foi criada, e depois de 2013, quando Berni Neto teria entrado no negócio, chegou a R$ 273 mil. Após o ingresso do ex-coordenador, a Midas adquiriu pelo menos doze imóveis, a maioria em condomínios de alto padrão.

O Ministério Público já teve acesso às escrituras desses imóveis e acredita que o patrimônio pode ser ainda maior. A pesquisa nos cartórios vai abranger outros familiares do agente público.

Como os negócios da Midas supostamente usados para lavagem de dinheiro estão na região, a investigação pode ser delegada ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPE em Sorocaba. Caso o ex-coordenador não consiga comprovar a origem do patrimônio, os bens podem ser sequestrados pela Justiça.

Promoção

Nos primeiros anos da década passada, Berni Neto era diretor da Penitenciária “Dr. Antônio de Souza Neto”, em Sorocaba, e se orgulhava de ter conseguido acabar com a hegemonia do Primeiro Comando da Capital (PCC) no presídio.

Outra facção, o Comando Revolucionário Brasileiro da Criminalidade (CRBC) assumiu o controle da Penitenciária e, na época, o então diretor disse que esse grupo vivia “de forma harmoniosa” com outras facções. No período, pelo menos cinco presos supostamente ligados ao PCC foram assassinados no interior do presídio.

Na cidade, Berni Neto se apresentava como parente do então secretário da Administração Penitenciária (SAP), Nagashi Furukawa, por ter sido casado com uma sobrinha dele.

O casamento durou seis meses, tempo em que Berni Neto recebeu promoções. Em 2005, quando o então coordenador de presídios da região de Campinas, João Batista Paschoal, foi preso por supostas irregularidades na transferência de presos, Berni Neto assumiu seu posto.