Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Mortes em Roraima mostram falta de controle do governo, diz ONG

O massacre em um dos presídios de Roraima acontece quatro dias após a morte de 60 detentos em duas penitenciárias de Manaus

São Paulo – A morte de 33 presos na Penitenciária Agrícola de Boa Vista (PAMC), em Roraima, nesta sexta-feira, 6, demonstra mais uma vez a falta de controle das autoridades brasileiros sobre o que acontece dentro dos presídios, disse a ONG Human Rights Watch.

O massacre em Roraima acontece quatro dias após a morte de 60 detentos em duas penitenciárias de Manaus.

A advogada Maria Laura Canineu, diretora no Brasil da Human Rights Watch, disse que as mortes “não são acidentais”.

“Resultam de décadas de negligência das autoridades brasileiras. O sistema prisional precisa de uma reforma estrutural profunda e urgente que passa pela ampliação das alternativas à prisão, garantia de assessoria jurídica para os presos e eliminação dos atrasos judiciais injustificados”, disse em nota.

Ela disse ainda que é necessário que o Estado garanta a ressocialização por meio de programas educacionais e de trabalho, e cumpra a legislação internacional e nacional sobre a separação dos presos.

E ressalta que os episódios em Roraima e Manaus demonstram a necessidade de o país revisar sua “política retrógrada de drogas”.

“Que resulta no encarceramento de milhares de pessoas por quantidades pequenas de drogas”, concluiu Maria Laura.

A organização de direitos humanos tem trabalhado mais diretamente com as prisões brasileiras desde os assassinatos em série no Complexo de Pedrinhas, no Maranhão, em 2013.