Moro e Temer; Esteves na mira da PF…

Esteves na mira da PF

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta-feira a Operação Conclave, que investiga a aquisição possivelmente fraudulenta de ações do Banco PanAmericano pela Caixa Participações. Na operação, o juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, da 10a Vara Federal em Brasília, autorizou a quebra do sigilo bancário e fiscal do banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, e de Henrique Abravanel, irmão do apresentador Silvio Santos e ex-integrante do conselho do Banco PanAmericano, e decretou o bloqueio de bens de pessoas e empresas envolvidas no valor de 1,5 bilhão de reais. Em 2009, a Caixa comprou 36% do Pan, na época controlado pelo Grupo Silvio Santos, por 740 milhões de reais; menos de um ano depois, vieram à tona indícios de fraudes no banco que levaram a um rombo de 4 bilhões de reais. O BTG comprou a participação de Silvio Santos no Pan em 2011. Em decorrência da operação, as ações do banco BTG Pactual caíram 4,12% nesta quarta-feira.

Temer e Moro (e Huck)

O presidente Michel Temer participou nesta quarta-feira de uma solenidade com o juiz federal Sergio Moro em comemoração ao Dia do Exército. Temer tem oito ministros investigados na Lava-Jato e também foi citado na operação. Os dois se cumprimentaram, mas não conversaram. Moro foi um dos agraciados com a medalha de Honra do Mérito Militar, entregue pelo Exército a pessoas com “serviços relevantes à nação”. Personalidades como o apresentador Luciano Huck e os ministros do Supremo Edson Fachin e Luís Roberto Barroso também foram homenageados. O comandante geral do Exército, general Eduardo Villas Bôas, pediu união e afirmou que “não há atalhos fora da Constituição”.

MP pede condenação de Cláudia Cruz

Os procuradores da Operação Lava-Jato pediram ao juiz Sergio Moro que a jornalista Cláudia Cruz seja condenada por lavagem de dinheiro e crime contra o sistema financeiro nacional. Os 12 procuradores que assinam os “memoriais escritos” entregues ao juiz Moro querem que a esposa do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha comece a cumprir a pena em regime fechado. Nas próximas semanas, o juiz Moro deverá anunciar sua sentença no processo em que Cláudia e o ex-diretor da Petrobras Jorge Zelada são réus. A jornalista sempre alegou que jamais teve conhecimento das movimentações ilegais do marido na Suíça, mas não convenceu os procuradores.

Absolvidos

A Justiça de São Paulo absolveu sumariamente o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, o empreiteiro José Adelmário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, da construtora OAS, mais dez acusados pelo Ministério Público Estadual por suposto crime de estelionato em quatro grandes empreendimentos da Cooperativa Habitacional dos Bancários (Bancoop), entre eles o famoso Condomínio Solaris, no Guarujá, litoral paulista. A sentença é da juíza Maria Priscilla Ernandes Veiga Oliveira, da 4a Vara Criminal da capital paulista.

Doria e o papa

O prefeito de São Paulo, João Doria, encontrou nesta quarta-feira com o papa Francisco, no Vaticano, e pediu para o líder católico rever sua decisão e viajar ao Brasil para participar das celebrações dos 300 anos da padroeira Nossa Senhora Aparecida, em outubro. Doria cumprimentou Jorge Mario Bergoglio durante a semanal audiência geral na Praça São Pedro e um dia depois de ter sido revelada uma carta do Vaticano ao presidente Michel Temer na qual o papa recusa o convite de visitar o Brasil, alegando “agenda lotada”.

Lula, Chávez e a Odebrecht

O empresário Emílio Odebrecht, patriarca da Odebrecht, confessou em delação premiada que pediu ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que ele interviesse com o ex-presidente da Venezuela Hugo Chávez, que morreu em 2013, em defesa do grupo, que estava ameaçado pela Andrade Gutierrez, em obra da Usina Hidrelétrica de Tocoma. Emílio Odebrecht afirmou que teria dito a Lula que não levava a ele “coisas que eu não tenho confirmado”. Nesta quarta-feira, a Justiça da República Dominicana homologou o acordo da Odebrecht com a procuradoria do país. Nele, a empreiteira se compromete a pagar uma multa de 184 milhões de dólares, o dobro do que pagou em subornos no país entre 2001 e 2014.

Policiais soltos no Rio

O juiz Alexandre Abrahão, do 3o Tribunal do Júri do Rio de Janeiro, aceitou os argumentos do Ministério Público e concedeu liberdade aos policiais militares Fabio de Barros Dias e David Gomes Centeno, lotados no 41o BPM (Irajá), acusados de executar dois traficantes na frente da Escola Municipal Daniel Piza, na Pavuna, no último dia 31 de março. Nesta mesma operação, a estudante Maria Eduarda Alves da Conceição, de 13 anos, acabou morrendo por balas perdidas que a atingiram na perna e na cabeça durante uma recreação no pátio. O magistrado escreveu em sua decisão que ponderou “especialmente a voz das ruas”.