Militares fazem simulações contra terrorismo na Olimpíada

Um participante desempenhou o papel de um terrorista armado que invade a estação, fere dois funcionários e mantém como reféns quatro pessoas em um trem

Rio – Agentes de segurança que já estão no Rio de Janeiro para atuar durante a Olimpíada participaram de simulações de ataques terroristas na cidade, nesta terça-feira.

Além dos cerca de mil fuzileiros navais, com duas embarcações e um helicóptero, que participaram de exercício na região do Monumento aos Mortos na Segunda Guerra Mundial – a missão era conter um suposto protesto violento – outros agentes, como bombeiros e integrantes da Aeronáutica, também promoveram treinamentos simulados. Eles se exercitaram no Sambódromo e no Aeroporto Internacional do Galeão, na Ilha do Governador (zona norte).

Na estação de metrô Maracanã, na zona norte, outra simulação de segurança mobilizou integrantes das Forças Especiais da Marinha, do Exército e da Aeronáutica.

No início, um participante desempenhou o papel de um terrorista armado que invade a estação, fere dois funcionários e mantém como reféns quatro pessoas em um trem. Equipes especializadas em antiterrorismo retomaram a composição usando táticas de incursão e tiro seletivo. O treinamento envolveu 120 profissionais das Forças Armadas e do Metrô.

“O treinamento faz parte do calendário de preparação final das tropas para os Jogos e visa a ambientar os militares em seus locais de eventual atuação”, afirmou o general Mauro Sinott Lopes, Coordenador geral do Comando Conjunto de Prevenção e Combate ao Terrorismo, em coletiva.

Foi o terceiro treinamento realizado pelo Metrô neste ano. O primeiro foi realizado em parceria com a Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), da Polícia Civil. O segundo ocorreu em conjunto com a Polícia Civil, a polícia francesa e o Batalhão Tonelero de Operações Especiais de Fuzileiros Navais.