‘Mil vezes termos excessos que apatia’ da PF, diz STF

O ministro Marco Aurélio Mello também elogiou a ação do governo nas demissões dos envolvidos em escândalos de corrupção

São Paulo – O ministro do Supremo Tribunal Marco Aurélio Mello acha preferível conviver com os “excessos” da Polícia Federal a uma “apatia” em sua ação. “Contamos com uma Polícia Federal atuante. Mil vezes termos excessos do que apatia. Os excessos podem e devem ser coibidos visando ao aprimoramento”, afirmou o ministro, na noite de quarta-feira, ao abrir a solenidade do Prêmio Engenho de Comunicação, em Brasília, do qual foi jurado.

O “excesso” da Polícia Federal virou tema de debate desde terça-feira da semana passada, após a Operação Voucher, que desmontou um esquema de desvio de pelo menos R$ 4 milhões do Ministério do Turismo e prendeu 36 pessoas, entre elas integrantes da cúpula da pasta.

O uso de algemas na operação, flagrado em imagens, a mobilização de mais de 200 policiais e o vazamento de fotos dos presos foram criticados por autoridades dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. O próprio Marco Aurélio havia atacado o uso das algemas, assim como outros colegas de STF, entre eles Gilmar Mendes, que, na segunda-feira, classificou, o episódio de “lamentável”.

Mendes estava no evento jornalístico em que o colega Marco Aurélio disse preferir “excessos” à “apatia” da PF, mas apenas entregou um dos prêmios, sem fazer discurso. Outro integrante do STF presente à festa foi o ministro Carlos Ayres Britto, além do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, e do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) José Múcio Monteiro.

No discurso de quarta-feira, o ministro Marco Aurélio Mello ainda elogiou a postura da presidente Dilma Rousseff em relação às demissões dentro de seu governo, em meio aos escândalos de corrupção nos ministérios.

“Louvo a chefia do Executivo nacional no que, diante de certos desvios de conduta, atua com desassombro”, afirmou. “O Ministério Público atua e o Judiciário entrega a prestação jurisdicional em que pese a avalanche de processos. É hora de pensarmos, mas pensarmos em uma resistência democrática.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.