Mascote destruído foi instalado sem autorização do Iphan

Como a capital federal é tombada, a divulgação de publicidade ao longo da Esplanada dos Ministérios tem de passar por autorização

Brasília – Antes mesmo de ser destruído por desconhecidos na madrugada da última terça-feira (9), o boneco que ficou conhecido como mascote da Copa do Mundo de 2014 já corria o risco de ser removido da Esplanada dos Ministérios, na região central de Brasília.

Como a capital federal é tombada e considerada Patrimônio Cultural da Humanidade, tanto a legislação nacional quanto a do Distrito Federal proíbem ou impõem condicionantes para a divulgação de publicidade ao longo da Esplanada dos Ministérios.

De acordo com a assessoria do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) – entidade responsável por zelar e proteger os monumentos históricos e artísticos brasileiros, entre eles, o acervo arquitetônico e urbanístico –, o boneco foi instalado na Esplanada dos Ministérios sem autorização prévia do órgão, desrespeitando a legislação federal. Ainda de acordo com o Iphan, os técnicos já estudavam as medidas cabíveis.

Diferentemente do mascote apresentado pelo Comitê Gestor da Copa, que usava uniforme branco com os dizeres “Brasil 2014”, o boneco inflável instalado na Esplanada dos Ministérios usava uma blusa vermelha com a logomarca da Coca Cola, patrocinador oficial do evento esportivo. O boneco permaneceu no local por 15 dias.

A Brasal (fabricante da Coca-Cola no Distrito Federal e responsável pela execução da ação de marketing promocional) alega que recebeu autorização do governo do Distrito Federal para instalar o boneco. Apesar disso, o Iphan podia determinar que o boneco fosse retirado ou multar a empresa.

Centro de decisão do poder político, onde estão instalados o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e os mais importantes prédios da administração pública federal, a Esplanada dos Ministérios concentra, além dos turistas que visitam a capital federal, um grande número de trabalhadores com alto poder aquisitivo.


Na semana passada, um boneco semelhante já havia sido alvo de protestos. Em Porto Alegre, centenas de manifestantes destruíram uma réplica do mascote durante um protesto contra a “privatização de locais públicos”. Acionados para proteger o boneco, soldados do Batalhão de Operações Especiais da Brigada Militar entraram em confronto com os manifestantes, utilizando cassetetes, bombas de efeito moral e balas de borracha. Várias pessoas, inclusive policiais, ficaram feridas durante o conflito.

Além de Brasília e Porto Alegre, cópias dos bonecos foram instaladas em mais oito cidades-sede dos jogos da Copa. Em Curitiba (PR), ele pode ser visto na movimentada Rua XV de Novembro, no Centro. Já em Salvador (BA), o boneco inflável está exposto diante de um dos principais cartões-postais da cidade, o Farol da Barra. Entre as 12 cidades que sediarão partidas do megaevento, apenas Manaus (AM) e Natal (RN) deixaram de receber os bonecos. Segundo a assessoria da Coca-Cola, por falta de acordo entre as fábricas e as autoridades locais.

Em Brasília, o boneco deveria permanecer na Esplanada até o próximo dia 14, quando seria transferido para uma via de acesso ao aeroporto, onde, se exposto, ficará por 21 dias. Em seguida, será instalado pelo mesmo período na Granja do Torto e, por último, na entrada da cidade de Taguatinga.

O governo do Distrito Federal informou que a Administração Regional de Brasília autorizou a exposição do boneco por considerar a relevância da matéria para o Brasil e para a capital federal. Lembrando que a ação de divulgação ocorre, simultaneamente, em outras capitais que sediarão os jogos, o GDF defendeu que a iniciativa visa a engajar a participação da população brasiliense na realização do evento, que divulgará a cidade como destino turístico.

A Coca-Cola classificou a destruição dos bonecos como atos de vandalismo e garantiu ter cumprido todos os procedimentos indicados pelo GDF, a quem classificou de “parceiro” na instalação do boneco. A empresa adiantou que está avaliando o novo local e o momento em que voltará a instalar, na cidade, o boneco, “um símbolo de alegria e do espírito festivo do maior evento esportivo mundial”.