“Maioria não será atingida”, diz secretário sobre alta do metrô

Segundo secretário, dois terços dos usuários do metrô e 62% dos de trens não seriam afetados pelo aumento da integração

São Paulo – O secretário estadual de transportes metropolitanos Clodoaldo Pelissioni afirmou nesta quarta-feira, 11, que a maioria da população não será afetada caso haja reajuste das tarifas de integração entre ônibus e trilhos (metrô e trem) em São Paulo.

O governo quer aumentar a cobrança de quem faz uso de duas ou mais modalidades de transporte coletivo de R$ 5,92 para R$ 6,80.

“A maioria da população não será atingida. Mais de dois terços dos usuários do Metrô não seriam atingidos. Na CPTM, 62% dos usuários não serão afetados”, disse.

O secretário não informou os valores absolutos do número de usuários que utilizam só bilhete unitário (apenas ônibus ou metrô) ou integrado. Ele destacou que a maior parte dos que fazem uso da tarifa integrada utilizam vale-transporte, bancado pelo empregador.

Até o momento, o reajuste está travado na Justiça, por causa de uma liminar. O governo estadual chegou a aumentar a passagem no domingo, dia 8, alegando não ter sido notificado formalmente da decisão, proferida na última semana, mas foi obrigado a recuar nesta quarta-feira, quando todos os valores cobrados voltaram à tarifa antiga.

A mudança é uma forma de compensar o congelamento da tarifa básica do transporte públicoem R$ 3,80, promessa de campanha do prefeito João Doria (PSDB) que depois foi seguida pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) para trens e metrôs. Caso o governo perca a batalha judicial, não está descartada a hipótese de o valor do bilhete unitário subir.

Nesta quarta-feira, a Prefeitura ingressou na ação junto ao Estado para tentar manter o aumento da passagem integrada. A informação foi confirmada pelo secretário municipal de Transportes Sérgio Avelleda. “Não somos parte, mas vamos ingressar espontaneamente e tomar conhecimento”, disse.

Valores

Com a decisão judicial, as demais tarifas reajustadas pelo governo do Estado também voltaram aos patamares antigos. O bilhete único mensal, que havia subido para R$ 190, retornará ao preço de R$ 140, tanto na categoria ônibus como só trilhos. O mesmo vale para o bilhete único mensal integrado, que terá de ser mantido a R$ 230 no lugar dos R$ 300 propostos pelo governo.

O governo do Estado havia justificado a necessidade do reajuste dizendo que, sem o aumento apenas das integrações e dos bilhetes temporais, a tarifa básica teria de ser reajustada para R$ 4,05 e que a mudança resultaria em um aumento de R$ 220 milhões para os custeios de trens e metrô.

No caso da Prefeitura, o reajuste significaria uma receita de R$ 3,20 por passageiro em cada integração com os trilhos, valor que era de R$ 2,82 antes do aumento (o restante vai para o metrô ou os trens).

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Welbi Maia Brito

    Para atender a um pedido político do PT, que visa apenas prejudicar o governador Geraldo Alckmin, o Tribunal de Justiça de SP pode provocar aumento das tarifas de transporte para toda a população. O congelamento das passagens unitárias decidida pelo governo de SP beneficiaria a maioria dos usuários. Em benefício de uma minoria, a Justiça desorganiza todo orçamento do Estado.