Lula nega conhecer documento encontrado em sua casa

Trata-se de um termo de opção de compra e venda em nome do pecuarista José Carlos Bumlai de terreno aonde supostamente seria sediado o Instituto Lula

Curitiba – Em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro nesta quarta-feira, 13, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou conhecer um contrato de opção de compra e venda do imóvel em São Paulo encontrado em sua casa em buscas e apreensões da Polícia Federal.

Trata-se de um termo de opção de compra e venda em nome do pecuarista José Carlos Bumlai de terreno aonde supostamente seria sediado o Instituto Lula, segundo o Ministério Público Federal, delatores da Odebrecht e o ex-ministro Antonio Palocci.

O imóvel é apontado pela força-tarefa da Lava Jato como suposta propina da construtora a Lula.

Lula é réu por corrupção passiva e lavagem de dinheiro sobre contratos entre a empreiteira e a Petrobras. Segundo o Ministério Público Federal os repasses ilícitos da Odebrecht chegaram a R$ 75 milhões em oito contratos com a estatal.

O montante, segundo a força-tarefa da Lava Jato, inclui um terreno de R$ 12,5 milhões para Instituto Lula e cobertura vizinha à residência de Lula em São Bernardo do Campo de R$ 504 mil.

O ex-presidente negou saber que a Odebrecht teria envolvimento na compra do terreno e que o imóvel teria sido comprado em nome de Glaucos da Costamarques, primo de seu amigo José Carlos Bumlai.

Em meio ao interrogatório, Moro expôs a Lula um documento. “Um documento que eu vou lhe mostrar, senhor presidente, evento 1, anexo 234 desse processo.

Um contrato de opção de compra entre a ASA agência sul americana e do outro lado Jose Carlos Bumlai representado por Roberto Teixeira e diz respeito a este imóvel na rua Haberbeck Brandão. Vou mostrar esse documento”.

Lula respondeu dizendo que “queria até fazer uma sugestão”:

“Essas coisas feitas entre o Bumlai e qualquer outra pessoa que eu não participei, é melhor o senhor perguntar para eles. Porque eu não sou obrigado e nem Jose Carlos Bumlai tinha qualquer obrigação de apresentar qualquer projeto a mim ou Roberto Teixeira, como eu não tinha que prestar contas do que eu fazia”.

Moro: Esse documento que foi lhe mostrado o senhor tinha conhecimento?

Lula: Não.

Moro: Já tinha visto anteriormente?

Lula: Não.

Moro: Consta afirmação do Ministério Público Federal que esse imóvel teria sido encontrado em sua residência.

Lula: Eu não sei o que eles encontraram na minha residência. Eles entraram 6h da manhã, entraram num escritório na minha casa, que faz exatamente 20 anos que eu moro naquela casa e 20 anos que eu não entro naquele escritório. Eu diria que era quase um lugar de jogar tranqueira, papeis e mais papeis. Tá? O fato de terem encontrado isso no escritório na minha casa não significa que eu tenha conhecimento ou que tenha visto. Até porque eu não sou obrigado a acreditar que encontraram na minha casa.

Moro: O senhor não confirma então que foi encontrado na sua casa ou se saberia explicar…

Lula: Eu não confirmo. Eu tenho dúvidas, porque depois do que estão fazendo comigo, eu sou um homem que tem muitas dúvidas hoje.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. RUI RODRIGUES

    O que estão fazendo com o Lula é uma coisa absurda. Vejam bem, um homem que mora num apartamento 20 anos e não entra em seu escritório nesse tempo todo que afirma peremptorioamente que o mesmo virou um quarto de tranqueiras e as tranqueiras da casa toda se encaminham para lá sozinhas, sem auxilio humano algum não pode ser duvidado de jeito algum.

  2. claudio bertho luiz

    É incrível a tentativa desesperada de defender o que não ha como , são tantos indícios , tanto volume de dinheiro a voar por ai tantas formas de ocultar o dinheiro vindo de propinas e o mais espantoso e se imaginar que tudo que se apurou até agora talvez seja uma parcela insignificante do que realmente tenha sido o roubo deixado como herança desses pseudos defensores da nação das classes menos favorecidas que arrebatam por vezes seguidores cegos pelo fanatismo…mais ainda vale o dito do profeta…de que vale ao homem ganhar o mundo inteiro e ter a sua alma no inferno…….

  3. Samara Azevedo

    Um detalhe que a reportagem omite. O documento estava assinado? Ah. E os envolvidos foram ouvidos ou é só um trecho recortado com um título tendencioso? Melhorem enquanto jornalistas. Tratem de fontes. Contactem os envolvidos. Parem de ser revista de fofoca mal feita.

  4. Está mais que tarde para prender esse vagab’undo C’U’Z’Ã’O, bêbado, ladrão e F’I’L’H’O’D’A’P’U’T’A

  5. Marcos Acker Monteiro

    “de terreno AONDE supostamente seria sediado o Instituto Lula” AONDE? Que jornalismo primário, que falta de cultura e conhecimento da língua. Aonde se usa com verbos de movimento. “ONDE se encontra […]” é a forma correta. Volte para a faculdade. Ou melhor, volte para o ensino básico.