Liberação de emendas parlamentares dispara em junho após crise

Entre os parlamentares que mais receberam recursos está o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e o senador Aécio Neves (PSDB-MG)

Brasília – Em meio ao recrudescimento com a crise política a partir da delação de executivos da JBS que o implicaram diretamente, o presidente Michel Temer ampliou fortemente a liberação de recursos de emendas parlamentares em junho.

Enquanto nos primeiros cinco meses do ano o governo havia liberado 959 milhões de reais em emendas e restos a pagar para deputados e senadores, somente no mês de junho esse valor foi de 529 milhões de reais, elevando o acumulado no ano a 1,488 bilhão de reais, conforme levantamento feito pela Reuters no sistema de gastos orçamentários do governo federal, o Siafi.

Esses recursos desembolsados contemplam o pagamento de emendas ao Orçamento de 2017 e de restos a pagar, que são recursos empenhados em anos anteriores, mas só liberados agora.

A título de comparação, no dia 9 de maio –poucos dias antes da divulgação da delação que implicou Temer feita por executivos da JBS– a liberação acumulada no ano era de apenas 531,5 milhões de reais.

A liberação de emendas é um dos mecanismos mais tradicionais que os governos lançam mão para garantir a fidelidade da base aliada. Denunciado por corrupção passiva pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Temer precisa garantir que o apoio à autorização para o Supremo Tribunal Federal (STF) julgar se recebe a acusação criminal contra ele não chegue aos 342 votos necessários.

O Palácio do Planalto quer ver rejeitada a autorização do STF para apreciar a denúncia oferecida por Janot em no máximo duas semanas, para não correr o risco de que novos fatos possam vir a desfavorecê-lo. Nesta terça-feira, por exemplo, Temer tem previsão de audiências pessoais no Planalto com duas dúzias de deputados entre 8h e 21h30.

O presidente disse em entrevista a uma rádio na segunda-feira estar “animadíssimo” e ter certeza “quase absoluta” de que a Câmara vai recusar o aval para o STF julgá-lo.

A base de dados usada pela Reuters é do Siga Brasil, ferramenta desenvolvida pelo Senado que dá acesso aos dados do Siafi.

Praticamente três quartos da verba é destinada para obras e ações indicadas por parlamentares para a área de saúde, que já recebeu 1,1 bilhão de reais nos seis primeiros meses do ano. Esse direcionamento se explica porque, desde 2005, o Congresso aprovou uma emenda constitucional que torna obrigatórios os repasses para esse setor, não podendo, dessa forma, o Executivo contingenciar os recursos para esse tipo de ação.

Campeões

A lista dos parlamentares mais bem agraciados com recursos neste ano consta o ex-chanceler e senador José Serra (PSDB-SP) com 9,6 milhões de reais, seguido pela senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), com 9,4 milhões de reais.

Do total de recursos distribuídos até o momento no ano, 1,243 bilhão de reais foram destinados a deputados e apenas 245 milhões de reais para senadores.

A título de ilustração, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que poderá substituir Temer em caso de afastamento dele no comando do país se a denúncia for recebida, teve 3 milhões de reais pagos em emendas.

Já o presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), que comanda o colegiado que vai dar parecer sobre se concorda ou não em autorizar o STF a julgar a acusação contra o presidente, teve 2,7 milhões de reais pagos em emendas.

No acumulado desde o início de 2015, o sistema indica que os parlamentares que tiveram mais emendas liberadas foram o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

(*Texto corrigido às 22h12: corrige no 2º parágrafo o valor liberado em junho para R$529 milhões, no lugar de R$4,2 bilhões, e o acumulado no ano para R$1,488 bilhão, no lugar de R$5,2 bilhões; corrige no último parágrafo antes do intertítulo o valor para R$1,1 bilhão, no lugar de R$3,9 bilhões; retira do título Bolsonaro e Aécio como líderes de repasses deste ano)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Valmor Fernando

    A repulsa já manifestada pelo eleitorado nas últimas eleições, tende a ser maior ainda. Mesmo assim, as várias siglas se engalfinham em todo tipo de armação para conquistar o butim das verbas PUBLICAS.
    A expectativa geral é saber com que cara os políticos vão se apresentar , arrochando na velha mentira de que ‘se eleito’ darão prioridade à saúde, à educação e à segurança. E O COMBATE A CORRUPÇAO….

  2. Jamir Oecksler

    No título “Liberação de emendas parlamentares dispara em junho após crise
    Entre os parlamentares que mais receberam recursos está o deputado Jair Bolsonaro ”
    No texto “A lista dos parlamentares mais bem agraciados com recursos neste ano consta o ex-chanceler e senador José Serra (PSDB-SP) com 9,6 milhões de reais, seguido pela senadora Marta Suplicy (PMDB-SP), com 9,4 milhões de reais”

    Quanto Bolsonaro recebeu em recursos no mês de Junho para suas emendas? não tem!!!
    Ei Fake News, vocês não tem vergonha de criar uma manchete dessas?

    1. Juliene Costa E Silva

      Bem… como eu gosto de verificar antes, entrei no site do Senado e infelizmente a informação constou… Eu até printei a tela… soh não sei enviar a foto por aqui. Mas o caminho é assim ó :
      Escreve Siga Brasil no buscador do Google.. vai na opção que abre o site do senado. Vai entrar no site que trata de assuntos orçamentários do senado e vai em emendas… lá tem todos os gráficos… e o nome do Aecio e do Bolsonaro. ..

  3. No mínimo tendênciosa essa matéria não? Cheia de correções no final dela.