Dólar R$ 3,28 0,12%
Euro R$ 3,64 -0,77%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,25% 64.020 pts
Pontos 64.020
Variação 1,25%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -5,60% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 15:50 FONTE

Justiça nega habeas corpus a mulher de Cabral

Desembargador considerou que um dos crimes aos quais Adriana é acusada, de formação de quadrilha, torna necessário sua manutenção em prisão preventiva

Rio, 08 – Presa desde terça-feira no Complexo de Gericinó por decisão do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, a ex-primeira-dama do Estado Adriana Ancelmo teve seu primeiro pedido de habeas corpus negado pela Justiça.

O desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal (TRF) da 2ª Região, considerou que um dos crimes aos quais Adriana é acusada, de formação de quadrilha, torna necessário sua manutenção em prisão preventiva, sob o risco de atrapalhar as investigações.

No pedido, os advogados da ex-primeira-dama, investigada na Operação Calicute, alegaram que, mesmo após mais de duas semanas da deflagração da Operação Calicute, Adriana Ancelmo não deixou o País, tentou se esconder ou influenciou funcionários ou testemunhas ouvidas pela Polícia Federal.

O habeas corpus também solicitava prisão domiciliar, uma vez que Adriana tem filhos de 10 e 14 anos com o ex-governador Sérgio Cabral, também preso, e que por isso eles estariam desamparados.

Mas o juiz não concordou. Nesta quinta-feira, 8, Adriana Ancelmo recebeu a visita dos advogados. Ela ocupa uma cela no presídio Joaquim Ferreira.