Justiça manda madrasta de Isabella Nardoni para o semiaberto

Com o regime menos rigoroso ela poderá obter autorização para saídas temporárias, trabalhar e participar de cursos

Sorocaba – A juíza Sueli Zeraik de Oliveira Armani, da 1ª Vara de Execuções Criminais de Taubaté, interior de São Paulo, concedeu nesta segunda-feira, 17, a progressão para o regime semiaberto à detenta Anna Carolina Jatobá, condenada a 26 anos e oito meses pelo assassinato de sua enteada Isabella Nardoni, em março de 2008.

Com a mudança no regime de prisão, Anna Carolina terá direito a deixar a penitenciária cinco vezes ao ano, durante as saídas temporárias.

Ela também poderá sair para trabalhar, desde que retorne para dormir em sua cela.

A juíza atendeu a um pedido feito pela defesa da condenada em abril deste ano.

Na oportunidade, o defensor alegou que Anna Carolina já havia cumprido a parcela da pena prevista em lei e não cometeu falta grave nesse período, tendo sido considerada de bom comportamento.

Com base em laudo criminológico feito a pedido da juíza e de informações sobre o bom comportamento da detenta, o promotor criminal Luiz Marcelo Negrini deu parecer favorável à progressão de regime.

O promotor alegou que o interesse do Estado em recuperar a apenada prevalece sobre a gravidade do crime e suas consequências, “por mais nefastas e repugnantes que sejam”.

A juíza afirmou em seu despacho que a mudança pode ajudar a reinserção social da presa.

“Embora se trate de regime prisional mais brando, ainda é bastante vigiado e possibilita a observação da evolução da detenta e seu retorno gradativo à sociedade”, escreveu.

A decisão foi encaminhada à Secretaria da Administração Penitenciária (SAP). De acordo com a pasta, a administração da Penitenciária Feminina I de Tremembé já solicitou a remoção de Anna Carolina para a ala de progressão da unidade.

“Observamos ainda que não há informações sobre atividades laborterapêuticas, mas, possivelmente a presa ficará trabalhando na parte interna da unidade”, informou em nota.

A ala de semiaberto já abriga detentas como Suzane von Richthofen, condenada pela morte dos pais.

Caso queira, Anna Carolina pode ser autorizada a deixar a prisão na saída temporária para o Dia dos Pais, em agosto próximo.

Inocente

Durante a elaboração dos laudos, Anna Carolina foi ouvida pela equipe médica e voltou a dizer que é inocente e espera que um dia a verdade sobre o caso apareça.

Ela revelou o interesse de refazer a vida com o apoio dos familiares.

A presa disse que preserva o relacionamento com o marido Alexandre Nardoni, também preso em Taubaté pelo mesmo crime, e quer fazer um curso de moda para abrir um ateliê.

Anna revelou ainda que pretende desenvolver o lado espiritual e ajudar as pessoas. O casal tem dois filhos, de 10 e 12 anos.

A reportagem tentou contato com o advogado de Anna Carolina, o criminalista Roberto Podval, mas ele estava em viagem, com telefone fora de serviço.

O caso

A menina Isabella de Oliveira Nardoni, então com cinco anos, foi jogada do sexto andar do edifício em que morava a família, na Vila Guilherme, em São Paulo, na noite de 29 de março de 2008.

O pai, Alexandre, e a madrasta foram condenados por homicídio doloso qualificado.

Com a agravante de ser ascendente direto da vítima, a pena dele foi de 31 anos, 1 mês e 10 dias de prisão.

Já Anna Carolina foi condenada a 26 anos e 8 meses de reclusão, tendo cumprido nove anos da pena.

Os dois sempre se disseram inocentes.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. José Honôrio Ferreira

    infelizmente as leis no brasil oferece muitas regalias aos presidiarios,tem que mudar,um crime como esse não pode ter execões,tem que mudar as leis.fico solidario com a mãe dessa menina que está sofrendo muito.