João Doria vence 1º turno e é o novo prefeito de São Paulo

Sem nunca ter assumido um cargo eletivo, o tucano vence disputa pela prefeitura de São Paulo em meio a racha no PSDB

São Paulo — Depois de uma ascensão surpreendente na campanha, João Doria Jr. (PSDB) é o novo prefeito de São Paulo. Ele foi eleito com 53,29% dos votos válidos (3.085.187) contra 16,70% (967.190) de Fernando Haddad (PT), atual prefeito que tentava a reeleição.

Sem nunca ter assumido um cargo eletivo, o tucano começou a corrida eleitoral com apenas 5% das intenções de voto, segundo o Datafolha de 26 de agosto. Com mais tempo na TV que seus rivais (no total, 12 minutos e 45 segundos) e mais dinheiro em caixa, Doria ganhou cerca de 30 pontos no último mês, ainda segundo os dados do Datafolha.

Celso Russomanno (PRB), que começou a campanha na dianteira das sondagens, caiu pela metade na preferência dos entrevistados pelo instituto. Haddad (PT) já aparecia com uma tendência de ascensão nas últimas pesquisas e estava empatado com o candidato do PRB na pesquisa Datafolha divulgada na noite de ontem (1).

O crescimento do petista nas pesquisas não foi suficiente, contudo, para levá-lo ao segundo turno. No fim, ele acabou em segundo, mas com menos votos do que brancos e nulos

Nome Partido/Coligação Votos % Válidos
JOÃO DORIA PSDB – PSDB / PPS / PV / PSB / DEM / PMB / PHS / PP / PSL / PT do B / PRP / PTC / PTN 3.085.187 53,29%
FERNANDO HADDAD PT – PT / PC do B / PR / PDT / PROS 967.190 16,70%
CELSO RUSSOMANNO PRB – PRB / PSC / PTB / PEN 789.986 13,64%
MARTA PMDB – PMDB / PSD 587.220 10,14%
LUIZA ERUNDINA PSOL – PSOL / PCB 184.000 3,18%
MAJOR OLIMPIO SD 116.870 2,02%
RICARDO YOUNG REDE 25.993 0,45%
LEVY FIDELIX PRTB 21.705 0,37%
JOÃO BICO PSDC 6.006 0,10%
ALTINO PSTU 4.715 0,08%
HENRIQUE ÁREAS PCO 1.019 0,02%

“Desgraça para o PSDB”

O desempenho de Doria, contudo, não deve agradar uma parte considerável do PSDB em São Paulo, que convive com um racha interno desde que o empresário foi lançado candidato da legenda.

Doria é acusado por membros do partido de comprar votos e fazer propaganda ilegal durante as prévias do PSDB para escolher o candidato à prefeitura de São Paulo. O tucanolevou o primeiro turno das prévias com 2.681 votos (43,13%) contra 2.045 de Andrea Matarazzo (equivalente a 32,89% do total) e 1.387 de Ricardo Tripoli (22,31%). Dias depois, o hoje vice de Marta Suplicy (PMDB) anunciou sua desfiliação do PSDB e ingressou na campanha da candidata do PMDB.

Na última terça, o Ministério Público Eleitoral de São Paulo pediu à Justiça Eleitoral a cassação da candidatura de João Doria Júnior (PSDB) por abuso de poder político. Segundo a denúncia, o governador Geraldo Alckmin, que é padrinho político do candidato, ofereceu a Secretaria de Meio Ambiente do estado ao Partido Progressista (PP) em troca de apoio para a chapa tucana, o que pode configurar desvio de finalidade.

Há uma semana, um terço da cúpula do partido na cidade abdicou de seus cargos como forma de boicote à chapa encabeçada pelo empresário. “Somos forçados, neste momento, quando deseja nos representar alguém que simboliza tudo contra o que lutamos desde a nossa fundação, a dizer não a esta candidatura”, afirmaram os dirigentes em manifesto. Alberto Goldman, vice-presidente nacional da legenda, afirmou recentemente em seu blog que Doria é uma “desgraça para o PSDB”

O “João”

Com 58 anos, Doria é casado e pai de três filhos. Ele é dono do Grupo Doria, que abriga 6 empresas, entre elas o Lide — Grupo de Líderes Empresariais. Para a Justiça Eleitoral, ele declarou um patrimônio de 180 milhões de reais, o que o tornou o prefeiturável mais rico em São Paulo. É também o principal doador da própria campanha.

Filho de um deputado federal, o novo prefeito nunca assumiu um cargo eletivo. E fez questão de deixar isso claro durante a campanha por meio do mote “não sou político, sou trabalhador” — lema que pode explicar a sua ascensão em um momento de de elevada rejeição a políticos.
Apesar do mote, Doria é filiado ao PSDB há 15 anos. Segundo levantamento do UOL por meio da Lei do Acesso à Informação, suas empresas receberam ao menos 10,1 milhões de reais de governos tucanos desde 2010.

Ao longo de toda campanha, o tucano tentou se desvencilhar da imagem de multimilionário. Aposentou o terno e a gravata e passou a referir a si próprio como o João. Entre suas promessas de campanha, Doria afirma que irá doar o salário público de 24 mil reais.

Promete também retomar as antigas velocidades das marginais e privatizar o Autódromo de Interlagos e Arena Anhembi. Além disso, afirma que irá firmar uma parceria com hospitais privados para oferecer exames de saúde das 20h da noite às 8h da manhã. 

Veja também: Quero seguir o exemplo de Michael Bloomberg em SP, diz Doria