Guardas fariam parte de grupo de extermínio em SP

Os quatro homens são suspeitos de envolvimento em um grupo que seria responsável pelo homicídio de um traficante de Amparo em fevereiro

São Paulo – Três guardas municipais e um investigador de polícia foram presos em Amparo e Santo Antônio de Posse, região de Campinas, interior de São Paulo, suspeitos de integrarem um grupo de extermínio. As prisões ocorreram na madrugada desta sexta-feira durante operação conjunta da Corregedoria da Polícia Civil, Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de São Paulo e Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (Garra) da Polícia Civil.

Segundo informou o Ministério Público, por meio de assessoria de imprensa, os quatro homens, que não tiveram seus nomes divulgados até a tarde desta sexta-feira, são suspeitos de envolvimento em um grupo que seria responsável pelo homicídio de um traficante de Amparo em fevereiro.

Nem a polícia nem o Gaeco informaram quantos mandados de prisão e de busca e apreensão foram e ainda serão cumpridos, mas informaram que durante a madrugada também foram apreendidas armas, munições e computadores nas duas cidades. Por meio da assessoria de imprensa da Secretaria do Estado da Segurança Pública, a Corregedoria informou que não divulga detalhes da operação para não atrapalhar as investigações.

A Prefeitura de Amparo, cidade na qual foram presos dois guardas e um investigador, informou que a Guarda Municipal instaurou sindicância para apurar o comportamento de seus integrantes detidos e, se houver provas de má conduta, serão tomadas as providências cabíveis. A reportagem não conseguiu contato com o comando da Guarda Municipal de Santo Antônio de Posse, onde um integrante da corporação foi detido.