Dólar R$ 3,27 -0,54%
Euro R$ 3,65 0,07%
SELIC 11,25% ao ano
Ibovespa 1,36% 64.085 pts
Pontos 64.085
Variação 1,36%
Maior Alta 4,89% RADL3
Maior Baixa -6,09% JBSS3
Última atualização 26/05/2017 - 17:20 FONTE

Governo não comentará retirada de repatriação da pauta

O porta-voz oficial afirmou também que o governo vai avaliar o comportamento de deputados da base que votaram contra a PEC 241

Brasília – O presidente Michel Temer disse nesta terça-feira, 11, por meio de seu porta-voz oficial, que o governo não comentaria a retirada do projeto de repatriação de pauta, pois se trata de uma prerrogativa da Câmara dos Deputados.

O porta-voz oficial do presidente Michel Temer, Alexandre Parola, afirmou também que o governo vai avaliar o comportamento de deputados da base que votaram contra a PEC 241 para buscar um trabalho de convencimento nas próximas votações.

“O governo irá avaliar o apoio que cada parlamentar dará ao governo”, disse o porta-voz.

“O diálogo e a busca do entendimento seguem sendo ferramentas para obter o convencimento e para que nas próximas votações esses parlamentares possam votar em sintonia com o governo e com os projetos de mudança que estão se implementando em benefício do Brasil”.

Apesar do discurso oficial não falar em retaliação, o Planalto já elabora um mapa dos “traidores” para punir com retirada de cargos, emendas e diminuição de espaço no governo, de acordo com interlocutores do presidente.

Repatriação

No caso do projeto de repatriação, o bastidor no Planalto é que apesar do empenho do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de tentar pauta o tema, não havia razões do governo para interferir tentando mobilizar a base, já que da forma como é atualmente o texto da repatriação já atenderia aos interesses do governo.

Além disso, segundo uma fonte do Planalto, o governo não quer ter a sua marca em eventuais mudanças do texto.

Outra razão para a imobilidade do Planalto no caso é que o assunto não está entre as prioridades de Temer que, após a PEC, deve centrar esforços na Reforma da Previdência.

Sobre esse tema, Parola afirmou que o governo “busca equidade e a justiça do sistema previdenciário” e que a proposta será “amplamente discutida com a sociedade brasileira”.

“Ao regressar de viagem oficial a Ásia o presidente pretende discutir o mais amplamente possível as propostas da reforma da previdência”, afirmou.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Juliana Moraes

    O Brasil precisa de grandes reformas políticas e morais. Sem essas reformas, nada vai adiantar, pois o povo pagará sempre a conta da corrupção. Não tem jeito mesmo, na “boa” nada vai mudar, a não ser que mude para pior. Estamos fartos desses políticos ladrões, corruptos, que depois de eleitos pensam que o povo lhes passou procuração em branco e partem para a prática de canalhices. Odeio Brasília. Brasília tem que cair. Esqueçamos a esquerda e a direita e nos centremos no que é melhor pro nosso país, que , no caso, seria uma mudança drástica em tudo, mas enquanto tivermos esse congresso ordinário que temos, nada mudará. Vamos forçar a barra para que as 10 medidas anticorrupção sejam logo aprovadas – se tivéssemos políticos “limpos”, o povo nem teria tido essa iniciativa; mas, ao contrário, eles ainda estão contra essas 10 medidas. Nunca vi político nenhum ir para a TV defender que esse sistema político podre mude, que os corruptos sejam punidos, etc.