Gleisi critica Lava Jato, enquanto STF julga sua acusação

Ela disse que a ação, que começou com tanta credibilidade, corre o risco agora de se transformar em uma operação "absolutamente partidarizada"

Brasília – No momento em que a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) começou o julgamento do recebimento da denúncia contra ela, a senadora Gleisi Hofmann (PT-PR) fez um discurso no plenário do Senado em que acusou a Operação Lava Jato por sair “bastante” dos trilhos.

Ela disse que a ação, que começou com tanta credibilidade na sociedade brasileira, corre o risco agora de se transformar em uma operação “absolutamente partidarizada” e “politizada”.

Para sustentar a sua crítica, a petista citou o que considerou “show” na apresentação da denúncia do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a prisão do ex-ministro Guido Mantega que estava no hospital acompanhando a mulher numa cirurgia e o fato de o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, ter antecipado que haveria nova fase da Lava Jato esta semana – ontem foi preso o ex-ministro Antonio Palocci, também alvo de queixas do discurso dela.

“Essa Operação Lava Jato está começando a sair bastante dos trilhos, já não estava muito nos trilhos, agora está completamente fora”, criticou, em pronunciamento no Senado.

Para ela, o objetivo ficará “viciado” se a operação continuar agindo desta forma. Ontem à tarde, Gleisi disse laconicamente que esperava que o julgamento da denúncia contra ela ocorresse “dentro da lei e da juridicidade”.

Gleisi e seu marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, são investigados desde março de 2015 sob a suspeita de terem recebido R$ 1 milhão de propina de contratos firmados entre empreiteiras e a Petrobras.

As investigações apontam que o dinheiro foi usado para custear parte da campanha eleitoral da petista em 2010. Eles negam a acusação.